Índice do artigo

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE

Portaria n.º 306-A/2011 de 20 de Dezembro

Nos termos do Memorando de Entendimento firmado pelo Governo Português com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a Comissão Europeia (CE) e o Banco Central Europeu (BCE), em 17 de Maio de 2011, o Governo comprometeu -se a tomar medidas para reformar o Sistema de Saúde com vista a garantir a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS), quer no que respeita ao seu regime geral de acesso ou regime especial de benefícios, quer no que respeita aos seus recursos financeiros, designadamente através da revisão do regime das taxas moderadoras do SNS.

No cumprimento deste compromisso foi aprovado o Decreto-Lei n.º 113/2011, de 29 de Novembro, que opera a revisão do regime das taxas moderadoras e regula as condições especiais de acesso às prestações do SNS por parte dos utentes no que respeita ao regime das taxas moderadoras e à aplicação dos regimes especiais de benefícios.

Na sequência da publicação deste diploma importa agora dar execução ao disposto no n.º 1 do seu artigo 3.º que prevê que os valores das taxas moderadoras são aprovados por portaria dos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e da saúde.

Assim:

Ao abrigo do disposto no n.º 1 do artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 113/2011 de 29 de Novembro:

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e da Saúde, o seguinte:


Artigo 1.º - Objecto

A presente portaria aprova os valores das taxas moderadoras previstas no artigo 2.º do Decreto -Lei n.º 113/2011 de 29 de Novembro, bem como as respectivas regras de apuramento e cobrança.


Artigo 2.º - Conceitos

Para os efeitos da presente portaria, entende -se por:

a) Acto complementar de diagnóstico — exame ou teste que fornece resultados necessários para o estabelecimento de diagnóstico;

b) Acto complementar de terapêutica — prestação de cuidados curativos após diagnóstico e prescrição terapêutica;

c) Atendimento em urgência — acto de assistência prestado num estabelecimento de saúde, em centros de saúde ou hospitais, em instalações próprias, a um indivíduo com alteração súbita ou agravamento do seu estado de saúde;

d) Consulta de especialidade — consulta médica em centros de saúde e hospitais prestada no âmbito de uma especialidade ou subespecialidade de base hospitalar, que deve decorrer de referência ou encaminhamento por médico de outra especialidade;

e) Consulta de medicina geral e familiar — consulta médica prestada em centros de saúde no âmbito da especialidade que, de forma continuada, se ocupa dos problemas de saúde dos indivíduos e das famílias, no contexto da comunidade;

f) Consulta médica — acto de assistência prestado por um médico a um individuo, podendo consistir em observação clínica, diagnóstico, prescrição terapêutica, aconselhamento ou verificação da evolução do seu estado de saúde;

g) Consulta de enfermagem — intervenção visando a realização de uma avaliação, ou estabelecimento de plano de cuidados de enfermagem, no sentido de ajudar o indivíduo a atingir a máxima capacidade de autocuidado;

h) Consulta de outros profissionais de saúde — acto de assistência prestado a um individuo, podendo consistir em avaliação, intervenção e ou monitorização;

i) Consulta no domicílio — consulta prestada por um profissional de saúde ao utente no domicílio, em lares ou instituições afins;

j) Consulta de planeamento familiar — consulta realizada em cuidados de saúde primários, no âmbito da medicina geral e familiar ou de outra especialidade, em que haja resposta por parte do profissional de saúde a uma solicitação sobre contracepção, pré -concepção, infertilidade ou fertilidade;

k) Consulta sem a presença do utente — acto de assistência médica sem a presença do utente, podendo resultar num aconselhamento, prescrição ou encaminhamento para outro serviço. Esta consulta pode estar associada a várias formas de comunicação utilizada, designadamente: através de terceira pessoa, por correio tradicional, por telefone, por correio electrónico, ou outro (é imprescindível a existência de consentimento informado do doente, registo escrito e cópia dos documentos enviados ao doente, se for esse o caso; o registo destas consultas deve ser efectuado separadamente das restantes);

l) Hospital de dia — serviço de um estabelecimento de saúde onde os doentes recebem, de forma programada, cuidados de saúde, permanecendo sob vigilância, num período inferior a 24 horas;

m) Rastreio organizado de base populacional — actividade, organizada por uma entidade, de identificação presumível de doença ou defeito não anteriormente conhecido, pela utilização de testes, exames e outros meios complementares de diagnóstico, os quais podem ser aplicados rapidamente para separar de entre as pessoas aparentemente saudáveis as que provavelmente têm a doença, daquelas que provavelmente não a têm;

n) Serviço de urgência polivalente (SUP) — nível mais diferenciado de resposta à situação de urgência/emergência, localizando -se em regra num hospital geral/centro hospitalar garantindo a articulação com as urgências especificas de pediatria, obstetrícia e psiquiatria segundo as respectivas redes de referenciação;

o) Serviço de urgência médico -cirúrgica (SUMC) — segundo nível de acolhimento das situações de urgência, que deve localizar -se estrategicamente dentro das áreas de influência respectivas;

p) Serviço de urgência básica (SUB) — primeiro nível de acolhimento a situações de urgência, constitui o nível de cariz médico (não cirúrgico, à excepção de pequena cirurgia no Serviço de Urgência);

q) Sessão de hospital de dia — intervenções, geralmente terapêuticas, em doentes, assistidos em hospital de dia.


Artigo 3.º - Determinação de valor

1 — Os valores das taxas moderadoras a vigorar durante o ano de 2012 são os constantes da tabela anexa à presente portaria e da qual fazem parte integrante.

2 — O montante total devido pela aplicação das taxas moderadoras em cada atendimento na urgência, acrescido do valor das taxas moderadoras aplicáveis aos meios complementares de diagnóstico e terapêutica realizados no decurso do mesmo não pode exceder o valor de € 50 (cinquenta euros).

3 — O montante total devido pela aplicação das taxas moderadoras em cada sessão de hospital de dia corresponde à soma do valor das taxas moderadoras aplicáveis aos meios complementares de diagnóstico e terapêutica realizados no decurso da mesma, não podendo exceder o valor de € 25 (vinte e cinco euros).

4 — O montante da taxa moderadora a cobrar pelos prestadores de cuidados de saúde convencionados pelo Serviço Nacional de Saúde nunca pode ser superior ao preço estabelecido na respectiva convenção.

5 — Para efeitos de cobrança do respectivo valor, o montante de cada taxa moderadora é arredondado para a metade de dezena de cêntimo imediatamente superior, sempre que aplicável.

6 — Nos casos em que os actos complementares de diagnóstico e terapêutica sejam integrantes de um atendimento de urgência ou de uma sessão de hospital de dia, o apuramento do valor devido no final está sujeito a acerto de liquidação, globalmente considerando o montante total devido e os limites constantes do n.º 2 e n.º 3 do presente artigo.

7 — A Administração Central do Sistema de Saúde, I. P. divulga na sua página electrónica as tabelas actualizadas das taxas moderadoras e a correspondente taxa de actualização anual aplicável.


Artigo 4.º - Cobrança e pagamento das taxas moderadoras

1 — Sem prejuízo do disposto no artigo 7.º do Decreto- -Lei n.º 113/2011, de 29 de Novembro, as taxas moderadoras são devidas e devem ser pagas no momento da apresentação do utente na consulta, da admissão na urgência ou da realização das sessões de hospital de dia e, ainda, no momento da realização de actos complementares de diagnóstico e terapêutica.

2 — A taxa moderadora devida pela realização da consulta no domicílio, deve ser paga no momento em que a entidade responsável pela cobrança considerar mais adequada ao seu funcionamento interno.

3 — Os serviços e estabelecimentos que integram o Serviço Nacional de Saúde ou que têm contrato ou convenção com o Serviço Nacional de Saúde devem providenciar todos os meios para a efectiva cobrança das taxas moderadoras, designadamente através de terminais de pagamento automático com cartão bancário, e, nos casos de pagamento a título excepcional em momento posterior, providenciar a possibilidade de pagamento através de referência bancária.

4 — Nos casos excepcionais em que as taxas moderadoras não sejam cobradas no momento da realização do acto, as entidades, com a obrigação de cobrança respectiva, devem proceder à identificação e notificação do utente logo de imediato no momento em que a taxa é devida, considerando -se o utente interpelado, desde esse momento, para efectuar o pagamento no prazo máximo de 10 dias, nos termos do n.º 3 do artigo 7.º do Decreto -Lei n.º 113/2011 de 29 de Novembro.

5 — A cobrança da taxa moderadora devida pela realização de acto complementar subsequente a outro e de realização diferida no tempo conforme indicação clínica e consentimento informado do utente, deve ocorrer no momento da realização desse acto complementar e no local de realização correspondente.

6 — No caso de o utente não comparecer no momento da realização da prestação de serviço de saúde pela qual é devida e já foi paga taxa moderadora, apenas há lugar ao reembolso da importância liquidada se a ausência for justificada por motivos não imputáveis ao próprio.


Artigo 5.º - Revogação

São revogadas:

a) A Portaria n.º 395 -A/2007, de 30 de Março;

b) A Portaria n.º 1320/2010, de 28 de Dezembro.


Artigo 6.º - Entrada em vigor

A presente portaria entra em vigor no dia 1 de Janeiro de 2012.

O Ministro de Estado e das Finanças, Vítor Louçã Rabaça Gaspar, em 20 de Dezembro de 2011. — O Ministro da Saúde, Paulo José de Ribeiro Moita de Macedo, em 19 de Dezembro de 2011.


ANEXO - Taxas Moderadoras

Designação                                                 Taxa moderadora

Consultas:

   Consulta de medicina geral e familiar ou outra consulta
      médica que não a de especialidade . . . . . . . . . . . . . . 5,00 €

   Consulta de enfermagem ou de outros profissionais de
      saúde realizada no âmbito dos cuidados de saúde
      primários. . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . 4,00 €

   Consulta de enfermagem ou de outros profissionais de
      saúde realizada no âmbito hospitalar . . . . . . . . . . . .  5,00 €

   Consulta de especialidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  7,50 €

   Consulta no domicílio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10,00 €

   Consulta médica sem a presença do utente . . . . . . . . . . . . 3,00 €

Atendimento em Urgência (a):

   Serviço de Urgência Polivalente . . . . . . . . . . . . . . . . 20,00 €

   Serviço de Urgência Médico -Cirúrgica . . . . . . . . . . . . . 17,50 €

   Serviço de Urgência Básica . . . . . . . . . . . . . . . . . .  15,00 €

   Serviço de Atendimento Permanente ou Prolongado (SAP) . . . . . 10,00 €

Sessão de Hospital de Dia (b) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    -

(a) Acrescem as taxas moderadoras de MCDT realizados no decurso do atendimento até um máximo de 50,00 €.

(b) Corresponde ao valor das taxas moderadoras aplicáveis aos actos complementares de diagnóstico e terapêutica realizadas no decurso da sessão até um máximo de 25,00 €.

Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica

Tabela de preços do SNS

Limite Inferior  Limite Superior    Taxa Moderadora

  1,10 €              1,49 €             0,35 €

  1,50 €              1,99 €             0,50 €

  2,00 €              2,49 €             0,65 €

  2,50 €              2,99 €             0,80 €

  3,00 €              3,49 €             0,90 €

  3,50 €              3,99 €             1,00 €

  4,00 €              4,49 €             1,10 €

  4,50 €              4,99 €             1,20 €

  5,00 €              5,99 €             1,30 €

  6,00 €              6,99 €             1,40 €

  7,00 €              7,99 €             1,50 €

  8,00 €              8,99 €             1,60 €

  9,00 €              9,99 €             1,80 €

 10,00 €             12,49 €             2,00 €

 12,50 €             14,99 €             2,50 €

 15,00 €             17,49 €             3,00 €

 17,50 €             19,99 €             3,50 €

 20,00 €             22,49 €             4,00 €

 22,50 €             24,99 €             4,50 €

 25,00 €             29,99 €             5,00 €

 30,00 €             34,99 €             6,00 €

 35,00 €             39,99 €             7,00 €

 40,00 €             44,99 €             8,00 €

 5,00 €              49,99 €             9,00 €

 50,00 €             54,99 €            10,00 €

 55,00 €             59,99 €            11,00 € 

 60,00 €             64,99 €            12,00 €

 65,00 €             69,99 €            13,00 €

 70,00 €             74,99 €            14,00 €

 75,00 €             99,99 €            15,00 €

100,00 €            124,99 €            17,50 €

125,00 €            149,99 €            20,00 €

150,00 €            174,99 €            22,50 €

175,00 €            199,99 €            25,00 €

200,00 €            224,99 €            27,50 €

225,00 €            249,99 €            30,00 €

250,00 €            349,99 €            32,50 €

350,00 €            499,99 €            40,00 €

500,00 €          > 500,00 €            50,00 €

A aplicação da tabela de valores de taxas moderadoras aos meios complementares de diagnóstico e terapêutica não pode implicar uma variação superior a 100 % em relação aos valores anteriormente em vigor, nem um valor superior a 50 euros por acto.


Consulte

Sobreviventes de Cancro Continuam Isentos de Taxas Moderadoras - 29-05-2012

Alargado prazo para isenção de taxas moderadoras por insuficiência económica - 19-05-2012

Aplicação das Taxas Moderadoras em 2012 (Actualização) - 23-03-2012

   Ligações - 23-03-2012

Portaria n.º 311-D/2011 - Situações de insuficiência económica para efeitos de isenção de taxas moderadoras  - 28-12-2011

Portaria n.º 306-A/2011 de 20 de Dezembro - Aprova os valores das taxas moderadoras - 22-12-2011

Lei n.º 113/2011 - Condições especiais de acesso às prestações do SNS para 2012 - 29-11-2011

Taxas moderadoras de acesso ao SNS com novas regras - 03-10-2011

Quem está isento do pagamento de taxas moderadoras? - 28-01-2011

Actualização das Taxas Moderadoras para 2011 - 28-12-2010

Isenção de Taxas Moderadoras para Incapacitados das Forças Armadas - 07-06-2010

Isenção de taxas moderadoras - 2011 - 21-04-2010

 

Patricia
Abandono da doente
Boa tarde. Desloquei-me recentemente a um serviço de urgência onde, depois de ne fazerem triagem, estive 4:30 horas a espera (pulseira verde) e não fui atendida. Farta de esperar, desloquei-ne a um outro serviço de urgência onde fui atendida num espaço de tempo bem mais curto. No final, paguei. Entretanto do outro hospital disseram k deram o meu caso como abandono e que teria de pagar, a consulta, mesmo ja tendo pago no outro serviço de urgência? Tenho que pagar, mesmo não tendo sido atendida e já tendo pago no outro lado?
Beatriz Madeira
Sugerimos-lhe que, antes de tomar a decisão de pagar (ou não) os serviços que não teve, faça uma exposição da situação à PJ - Provedoria de Justiça e à ERS - Entidade Reguladora da Saúde (contactos em http://sabiasque.pt/familia/noticias/2352-denunciar-ou-apresentar-queixa.html), solicitando no final a isenção de pagamento dos serviços não prestados pelo serviço de saúde onde se deslocou inicialmente.
Beatriz Madeira
Na página 3 do artigo "Aplicação das Taxas Moderadoras em 2012 (Actualização)" encontra um descritivo dos procedimentos a cumprir para solicitar a isenção,
pese embora o prazo para o fazer tenha terminado em 31 Maio passado, como poderá verificar no artigo "Alargado prazo para isenção de taxas moderadoras por insuficiência económica".

Sugerimos que ligue para o VIA segurança social e lhes coloque a questão diretamente. O número é o 808 266 266 e funciona todos os dias úteis das 08h00 às 22h00, com o custo de chamada local a partir de rede fixa em Portugal. Quando telefonar tenha consigo o seu número de beneficiário.

Cecília Paula Veloso Faria Martins Carneiro
Isenção de Taxas Moderadoras - desempregada
Não fiquei isenta do pagamento de taxas moderadoras, não obstante me encontrar desempregada desde Maio de 2010 e inscrita no Centro de Emprego respectivo.

Visto que a aferição se reportava a 2010, é óbvio que só passei à situação de desempregada em Maio de 2010.

O que devo fazer?

Beatriz Madeira
Cara Angelina Rosa, boa tarde.

Para obter a informação pretendida, por favor, contacte os serviços competentes do Ministério da Saúde através do endereço de correio eletrónico taxasmoderadoras@acss.min-saude.pt

Beatriz Madeira
Cara Natalina de Jesus Silvestre Aspra,


Encontra um artigo muito completo sobre taxas moderadoras em Aplicação das Taxas Moderadoras em 2012 (Actualização).

Pode consultar os procedimentos para requerer a isenção de taxa moderadora no Portal da Saúde em Requerimento para isenção de taxas moderadoras.

Ntalina de Jesus Silvestre Aspra
Isenção de taxa moderadora
Agradecia que me informassem quais os procedimentos para que me isentem de taxa moderadora.
Natalina de Jesus Silvestre Aspr
Isenção de taxa moderadora
Sou portadora da doença de cardiomiopatia. Gostaria de saber como obter a isenção de taxa moderadora.
Angelina Rosa
Isenção taxa moderadora
Exmo(a). Senhor(a),

Venho, por este meio, solicitar a V. Exa. informação sobre a minha situação de isenção da taxa moderadora. Sou uma doente sofrendo de Lúpus e de Purpura Trombocitopénica, com limitações a nível cognitivo, situação concordante com as lesões encontradas na RMN/CE. No foro psiquiátrico apresento um quadro depressivo com características Major. Ao que me foi atribuída reforma por incapacidade, sendo atribuída a: “ISENÇÂO/REGIME ESOECIAL DE COMPARTICIPAÇÃO DE MEDICAMENTOS/OUTROS ……..

Isenção: Utente Isento de T.M. Código: XXXX

R.E.C.M.: Utente Com R.E.C.M. Código: 2001 Validade: 31-03-2012

Med. Esp: Utente Com Medicação Código: XXXX

Obrigada pela vossa ajuda,

Com os melhores cumprimentos,

Angelina Rosa Tendeiro

4000 Caracteres remanescentes


Em 2013, houve alterações à legislação laboral (Código do Trabalho) que regulamenta a marcação de férias. Veja aqui como proceder para contabilizar, marcar e alterar os dias de férias em...

Comentários Recentes

Paulo
1 dia 22 horas

Recebi carta d despedimento por extinção do posto de trabalho por causa do covid-19, acontece q entrei para a firma em 1999 ...

Sofia Morais
2 dias 21 horas

Boa noite precisava de ajuda para o seguinte, se possível: comecei a trabalhar a 01/03/2019 contrato a termo certo de 6 mese ...

Carmen Santos
3 dias 3 horas

Boa tarde, gostaria de saber se a entidade patronal que recorreu à medida de estímulo de emprego, pode cessar contrato com ...

Carla Bessa
3 dias 6 horas

Bom dia, Iniciei o meu contrato de trabalho com a empresa em 15 de outubro de 2018, renovando-se automaticamente por períod ...

Manuel Nogueira
3 dias 18 horas

Exmos Senhores A minha esposa sofre de uma doença cronica chamada colite ulcerosa a vários anos tem 58 anos e agora fico ...