Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

A Lei 52/2012 de 5 Setembro - Lei de Bases dos Cuidados Paliativos consagra o direito e regula o acesso dos cidadãos aos cuidados paliativos, define a responsabilidade do Estado em matéria de cuidados paliativos e cria a Rede Nacional de Cuidados Paliativos (RNCP), a funcionar sob tutela do Ministério da Saúde. A presente lei entra em vigor com o Orçamento do Estado subsequente à sua publicação.

O que são cuidados paliativos
Lei de Bases dos Cuidados Paliativos
8 de Outubro - Dia Mundial dos Cuidados Paliativos

Os cuidados paliativos centram-se na prevenção e alívio do sofrimento físico, psicológico, social e espiritual, na melhoria do bem-estar e no apoio aos doentes e às suas famílias, quando associado a doença grave ou incurável, em fase avançada e progressiva. Os cuidados paliativos devem respeitar a autonomia, a vontade, a individualidade, a dignidade da pessoa e a inviolabilidade da vida humana. Nenhum cidadão pode ser prejudicado ou discriminado em função da sua situação económica, área de residência ou patologia.

A RNCP é uma rede funcional, integrada nos serviços do Ministério da Saúde, e baseia-se num modelo de intervenção integrada e articulada, que prevê diferentes tipos de unidades e de equipas para a prestação de cuidados paliativos, cooperando com outros recursos de saúde hospitalares, comunitários e domiciliários. A prestação de cuidados paliativos organiza-se mediante modelos de gestão que garantam uma prestação de cuidados eficazes, oportunos e eficientes, visando a satisfação das pessoas numa lógica de otimização dos recursos locais e regionais, de acordo com a Lei de Bases da Saúde.

Constitui objetivo global da RNCP a prestação de cuidados paliativos a pessoas doentes que, independentemente da idade e patologia, estejam numa situação de sofrimento decorrente de doença grave ou incurável, com prognóstico limitado e em fase avançada e progressiva. Os cuidados paliativos são prestados por serviços e estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde (SNS), podendo, quando a resposta pública se revelar insuficiente, ser assegurados por entidades do setor social ou privado, certificados nos termos da lei.

A intervenção em cuidados paliativos é baseada no plano individual de cuidados paliativos, elaborado e organizado pela equipa interdisciplinar em relação a cada doente. As equipas de prestação de cuidados paliativos, a nível local, são as Unidades de Cuidados Paliativos, as equipas intra-hospitalares de suporte em cuidados paliativos e as equipas comunitárias de suporte em cuidados paliativos que constituem equipas multiprofissionais, integrantes e contratualizadas com a RNCP e que estão articuladas entre si e com a coordenação regional. Outras unidades funcionais do SNS podem realizar ações paliativas, de acordo com orientação técnica da RNCP.

Os cuidados paliativos regem-se pelos seguintes princípios:

  • Afirmação da vida e do valor intrínseco de cada pessoa, considerando a morte como processo natural que não deve ser prolongado através de obstinação terapêutica.

  • Aumento da qualidade de vida do doente e sua família.

  • Prestação individualizada, humanizada, tecnicamente rigorosa, de cuidados paliativos aos doentes que necessitem deste tipo de cuidados.

  • Multidisciplinaridade e interdisciplinaridade na prestação de cuidados paliativos.

  • Conhecimento diferenciado da dor e dos demais sintomas.

  • Consideração pelas necessidades individuais dos pacientes.

  • Respeito pelos valores, crenças e práticas pessoais, culturais e religiosas.

  • Continuidade de cuidados ao longo da doença.

Direitos dos doentes

  • O doente tem direito a receber cuidados paliativos adequados à complexidade da situação e às necessidades da pessoa, incluindo a prevenção e o alivio da dor e de outros sintomas.

  • O doente tem direito a escolher o local de prestação de cuidados paliativos e os profissionais, exceto em casos urgentes, nos termos dos princípios gerais da Lei de Bases da Saúde.

  • O doente tem direito a fazer-se acompanhar, nos termos da lei.

  • O doente tem direito a ser informado sobre o seu estado clínico, se for essa a sua vontade.

  • O doente tem direito a participar nas decisões sobre cuidados paliativos que lhe são prestados, nomeadamente para efeitos de determinação de condições, limites ou interrupção dos tratamentos.

  • O doente tem direito a ver garantidas a sua privacidade e a confidencialidade dos dados pessoais.

  • O doente tem direito a receber informação objetiva e rigorosa sobre condições de internamento.

Direitos das famílias

  • As famílias ou representantes legais dos doentes têm direito a receber apoio adequado à sua situação e necessidades, incluindo a facilitação do processo do luto.

  • As famílias ou representantes legais dos doentes têm direito a participar na escolha do local da prestação de cuidados paliativos e dos profissionais, exceto em casos urgentes, nos termos dos princípios gerais da Lei de Bases da Saúde.

  • As famílias ou representantes legais dos doentes têm direito a receber informação sobre o estado clínico do doente, se for essa a vontade do mesmo.

  • As famílias ou representantes legais dos doentes têm direito a participar nas decisões sobre cuidados paliativos

  • que serão prestados ao doente e à família, nos termos da presente lei.

  • As famílias ou representantes legais dos doentes têm direito a receber informação objetiva e rigorosa sobre condições de internamento.

Deveres

  • O doente ou o seu representante legal tem o dever de fornecer aos profissionais de saúde todas as informações necessárias para obtenção de diagnóstico correto e tratamento adequado.

  • O doente ou o seu representante legal tem o dever de respeitar os direitos dos outros doentes.

  • O doente ou o seu representante legal tem o dever de colaborar com os profissionais de saúde, respeitando as indicações que lhe são dadas e livremente aceites.

  • O doente ou o seu representante legal tem o dever de respeitar as regras de funcionamento dos serviços de saúde com vista à garantia do bem comum.

  • O doente ou o seu representante legal tem o dever de utilizar os serviços de saúde de forma apropriada e colaborar ativamente na redução de gastos desnecessários.

  • As famílias têm o dever de colaborar com os serviços de saúde, tendo em conta o melhor interesse do doente e a eficiência dos cuidados prestados.

4000 Caracteres remanescentes


Código do Trabalho

Código do Trabalho

O código do trabalho apresentado nesta página (Lei n.º 7/2009) e artigos anexos está em vigor desde Fevereiro de 2009 e foi atualizado com as alterações introduzidas . Para consultar o...

Comentários Recentes

Ana Paula Moreira
2 dias 2 horas

sou pensionista por velhice e pretendo trabalhar por conta de outrem.Serei obrigada a descontar para a segurança social?

António Costa
3 dias 20 horas

Já li vários assunto relacionados com este assunto e nunca vi esclarecimento sobre a que horas se aplica esse período de a ...

Felicty
9 dias 6 horas

Pois vá tentando , pode ser que conecte-se a rede .

Natercia
11 dias 18 horas

Ola boa noite, sou rececionista de hotel, gostaria de saber se é legal, apenas uma mulher fazer o horário noturno 00:00-08: ...

Anna santana
13 dias 12 horas

olha eu tive uns cacarias mas ousadas com um garroto, eu deixe ele coloca apontado pau dele na entra do meu anus, mas foi só ...