Boletim

Greves, manifestações e contestação social

Greves, manifestações e contestação social 4.8 out of 5 based on 25 votes.
Votos de utilizador:  / 25
FracoBom 

Consulte aqui informação sobre as greves, manifestações e outras ações de contestação social previstas e ocorridas 2014 assim como as do final de 2013. Poderá enviar informação adicional para Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. .

Código do Trabalho - Artigo 530.º - Direito à greve

Agenda: Greves, manifestações e contestação social

Setembro 2014

22 de agosto a 30 de setembro - Greve ao Trabalho Extraordinário na Carris

Os trabalhadores da Carris iniciam a 22 de agosto mais um período de greve ao trabalho extraordinário em protesto contra a redução do pagamento às horas suplementares, disse fonte sindical.

Trabalhadores da Carris iniciam sexta-feira greve às horas extraordinárias

1 a 30 de setembro - Problemas no concurso de Professores

Erros, ilegalidades e eventual manipulação marcam concurso que está a gerar grande perturbação nas escolas e indignação nos professores

A confusão instalou-se indisfarçavelmente nos concursos, com situações que não têm fundamentação legal e outras que indiciam, ora incompetência, ora manipulação.

Erros, ilegalidades e eventual manipulação marcam concurso

Protesto Meet no MEC foi convocado através do Facebook e juntou uma centena de docentes em Lisboa.

Professores gritam demissão à porta do Ministério da Educação

Como problemas na ordenação de professores contratados exigem “solução política”, sindicatos aguardam que ministério marque reunião até ao fim do dia e anule processo da Bolsa de Contratação de Escola.

DGAE dá algumas garantias à Fenprof mas nega “erro” na fórmula

O "Movimento Boicote & Cerco" está a apelar aos professores para acamparem esta tarde em frente ao Ministério da Educação, em Lisboa, e em frente à Direcção Regional de Educação do Norte, no Porto.

Professores acampam esta terça-feira em frente ao Ministério da Educação

Perto de 1.000 docentes estão desde Julho de 2010 a ganhar abaixo do que seria suposto. No final deste mês de Setembro serão repostos no índice correcto e receberão os retroactivos que poderão chegar aos 12.182 euros.

Crato gasta até 13,9 milhões com reposição de salários a professores

Docentes estiveram nesta quinta-feira em frente ao Ministério da Educação a exigir a anulação do concurso da Bolsa de Contratação de Escola. Fenprof vai avançar para os tribunais.

Professores vão distribuir livros pela Baixa de Lisboa em protesto

Nuno Crato assumiu o erro de incompatibilização de escalas da fórmula matemática utilizada para a ordenação dos candidatos às BCE, com críticas de toda a oposição, relativamente ao discurso evasivo que Crato usou no início do debate de urgência marcado pelo PSD para branquear a abertura do ano lectivo. Branqueamento que acabou por cair como um castelo de cartas no final do debate, com o ministro a assumir a responsabilidade pelo erro e a comprometer-se a corrigir a situação na próxima semana.

RECONHECIMENTO DO ERRO NÃO DESCULPA POLITICAMENTE UM GOVERNO.

O ministro da Educação assumiu esta quinta-feira no Parlamento haver um erro na fórmula de cálculo das listas da Bolsa de Contratação de Escola (BCE), o qual atribui aos serviços do ministério e não às escolas, garantindo que será corrigido.

Nuno Crato admite erro na fórmula aplicada na colocação de professores

O director-geral da Administração Escolar, Agostinho Pereira, apresentou hoje ao Ministério da Educação e Ciência (MEC) a sua demissão, tendo o pedido sido aceite pela equipa de Nuno Crato, confirmou o Ministério.

Director-geral da Administração Escolar apresentou demissão, Crato aceitou

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) defendeu hoje que o ministro da Educação acabou por ser obrigado a "pedir desculpa pela sua obstinação" e voltou a pedir "a assunção de responsabilidades políticas" com a demissão de Nuno Crato.

Fenprof diz que Crato pediu desculpa pela sua obstinação e pede que se demita

Ministro foi obrigado a reconhecer erros que dizia não existirem, mas exige-se mais do que, apenas, pedidos de desculpa

O Ministro da Educação e Ciência teve de reconhecer o que horas antes dizia ser coisa de apenas alguns professores e alguns sindicatos: os erros existentes nas BCE e a necessidade de serem publicadas novas listas. Fê-lo, não por, de um momento para o outro, ter tomado consciência dos problemas, mas porque a luta continua a ter muita força e hoje, mais uma vez, produziu resultados. Mal ficam os que, antes mesmo de as listas serem conhecidas, já as tinham abençoado.

Ministro foi obrigado a reconhecer erros que dizia não existirem, mas exige-se mais do que, apenas, pedidos de desculpa

Muitos milhares de alunos continuam, um pouco por todo o país, sem aulas ou, no mínimo, sem professores que assegurem a lecionação de todas as disciplinas. É uma das consequências mais graves do atraso no lançamento dos concursos e da forma incompetente como o MEC os realizou.

Quase meio milhão de alunos ainda não tem professor ou, nos casos de pluridocência, não tem os professores todos

Face ao incumprimento no prazo divulgado, os Sindicatos de Professores reiteram necessidade de reunião com equipa ministerial. Caso esta não se realize, a Plataforma de Sindicatos convoca conferência de imprensa para as 15 horas de quinta, 25 de Setembro, seguida de deslocação ao MEC

Erros nos concursos continuam por corrigir

Logo Greve

1 a 30 de setembro - Protestos nas freguesias alentejanas onde fecharam escolas

Nas escolas de Vila Nova da Baronia (Alvito), Rio de Moinhos (Aljustrel) e Vila Ruiva (Cuba), todas no distrito de Beja, as crianças do 1º ciclo do ensino básico não foram à escola, em protesto contra o encerramento dos estabelecimentos de ensino e porque as autarquias se recusam a proceder ao seu transporte, alegando falta de recursos financeiros.

Protestos nas freguesias alentejanas onde fecharam escolas

18 a 27 de setembro - Campanha do PCP "Defender a Escola Pública - Garantir o acesso à educação"

O PCP inicia hoje uma campanha nacional em defesa da Escola Pública e do acesso à Educação, que irá decorrer até ao próximo dia 27 de Setembro, e que tem como objectivo consciencializar os portugueses sobre a importância estrutural e transversal da educação e o papel decisivo da Escola Pública na democratização do acesso e sucesso escolares.

Defender a Escola Pública - Garantir o acesso à educação

 

23 de setembro a 5 de outubro - Quinzena de Acções de Informação, Reivindicação e Lutas

Reunido para analisar a situação política, económica e social do país, o Conselho Nacional da CGTP-IN definiu as linhas da Política Reivindicativa da central para 2015, convocou um Plenário Nacional de Sindicatos para 11 de Setembro e marcou uma Quinzena de Acções de Informação, Reivindicação e Lutas, de 23 de Setembro a 5 de Outubro, entre outras iniciativas.

Conselho Nacional aprova Política e Acção Reivindicativa da CGTP-IN

24 de setembro - Conferência “Educação, Esperanças de Abril”

No Conservatório de Música de Coimbra (pequeno auditório). Esta iniciativa, que conta com a colaboração  de Aires Antunes Dinis (professor aposentado, licenciado em Finanças pelo Instituto Superior de Economia e desde sempre empenhado no estudo de questões da Educação), insere-se num conjunto de iniciativas que o Departamento de Professores Aposentados do SPRC realizará ao longo do ano e com as quais se visa a intervenção e envolvimento de todos os docentes no debate sobre a situação por que passa o nosso país.

Conferência “Educação, Esperanças de Abril”

24 de setembro - Activistas permanecem nas ilhas Selvagens juntamente com a marinha portuguesa

Navio da Marinha chegou na terça-feira à noite às ilhas. Protesto visa contestar prospecções petrolíferas para ali previstas.

Activistas permanecem nas ilhas Selvagens juntamente com a marinha portuguesa

Militantes da Alternativa Nacionalista Canária serão transportados para o Funchal e arriscam multa por terem estado nas ilhas sem autorização.

Marinha portuguesa identifica nas Selvagens dois independentistas das Canárias

24 e 25 de setembro - Greve nacional dos Enfermeiros

Sindicato dos Enfermeiros Portugueses anunciou dois dias de protesto que admite desmarcar se conseguir "compromissos claros" em reunião com a tutela a 17 de Setembro.

Enfermeiros anunciam greve nacional para 24 e 25 de Setembro

GREVE NACIONAL DE ENFERMEIROS
24 e 25 DE SETEMBRO - N/M/T/N/M/T
Concentração de Enfermeiros
25/Setembro - Junto ao Min. Saúde

Pela valorização do trabalho e da Enfermagem! Contra a exaustão, pela admissão de mais enfermeiros! Pela defesa do SNS!

Comunicação Social: Greve Nacional dos Enfermeiros

Sindicato diz que não foram apresentados compromissos claros e com prazos. Há novo encontro na segunda-feira, a última oportunidade antes da greve de 24 e 25 de Setembro.

Enfermeiros mantêm greve após reunião com tutela “com base em nada

Desde que o actual Governo tomou posse, em Junho de 2011, houve 208 greves no universo do Estado. Esta quarta-feira é a vez dos enfermeiros, quinta dos trabalhadores do metro, sexta dos funcionários judiciais.

Governo enfrenta uma greve a cada cinco dias

Protesto tem como principal motivo a carência generalizada de profissionais de enfermagem e a degradação das condições de trabalho. Cirurgias e tratamentos em ambulatório e nos centros de saúde são os serviços mais afectados pela greve. Ministério da Saúde comprometeu-se a contratar mil enfermeiros neste ano e mais 700 em 2015.

Enfermeiros começam greve nacional de dois dias com adesão superior a 80%

Os enfermeiros vão estar em greve amanhã e depois - 24 e 25 de Setembro. Na reunião realizada, ontem, com o Ministério da Saúde, não houve resposta às reividicações da classe. A grave carência de enfermeiros em todas as instituições do SNS não se minimiza com as contratações anunciadas pelo Governo, o qual também fez depender de um Acordo Colectivo de Trabalho, a negociar durante um ano - e sem greves - a harmonização da remuneração dos enfermeiros a CIT. O Ministério não deu igualmente a resposta necessária quanto ao desenvolvimento na carreira de milhares de enfermeiros especialistas, penalizados pela não revalorização salarial. Da mesma forma não houve resposta para problemas como: progressão salarial, reposição dos valores das horas penosas (trabalho nocturno, fins-de-semana e feriados), exclusividade, reposicionamento dos enfermeiros de acordo com o percurso profissional, harmonização salarial nos Cuidados de Saúde Primários, cumprimento das regras de horários e cumprimento das regras de horários de trabalho.

Enfermeiros confirmam greve em 24 e 25 de Setembro

25 de setembro - Greve de 24 horas dos Trabalhadores do Metropolitano de Lisboa

Os trabalhadores do Metro de Lisboa já entregaram um novo pré-aviso de greve para o dia 25 de Setembro, uma quinta-feira, desta vez para uma paralisação de 24 horas.

Trabalhadores do Metro marcam greve de 24 horas para dia 25

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa, que estão hoje em greve parcial, convocaram uma nova paralização de 24 horas para 25 de Setembro, disse à agência Lusa Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans).

Trabalhadores do Metro de Lisboa marcam nova greve para 25 de Setembro

O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, vai estar, hoje, 24 de Setembro, pelas 23 horas, no Metropolitano, na Av. Sidónio País, em Lisboa, para manifestar apoio e contactar os trabalhadores desta empresa que iniciam uma greve de 24 horas, para exigir a manutenção da componente social do serviço prestado pela empresa; a reposição do quadro de trabalhos, necessários para a reposição de um serviço com maior qualidade e segurança; o investimento que permita a reposição de um serviço com a qualidade e segurança que os utentes têm direito; o cumprimento integral do Acordo de Empresa e o fim dos roubos nos salários e nas reformas.

Greve dos trabalhadores do Metropolitano

A paralisação do Metro de Lisboa inicia-se à 00h de dia 24 e prolonga-se até à 00h de dia 25.

Metro de Lisboa em greve total amanhã

Desde que o actual Governo tomou posse, em Junho de 2011, houve 208 greves no universo do Estado. Esta quarta-feira é a vez dos enfermeiros, quinta dos trabalhadores do metro, sexta dos funcionários judiciais.

Governo enfrenta uma greve a cada cinco dias

26 de setembro - Paralisação Nacional dos Funcionários dos Tribunais

O Sindicato dos Funcionários Judiciais anunciou esta uma paralisação nacional para 26 de Setembro, seguida de um dia de greve em cada uma das novas comarcas durante todo o mês de Outubro.

Funcionários dos tribunais avançam com paralisação nacional seguida de um mês de greves

Na sexta-feira entram em greve os funcionários judiciais, que também se queixam de excesso de trabalho e de falta de pessoal. Os sindicatos lembram que a promessa do Governo de descongelar a admissão de mil novos trabalhadores continua por cumprir. 

Governo enfrenta uma greve a cada cinco dias

1 a 31 de outubro - Um dia de Greve por Comarca dos Funcionários dos Tribunais

O Sindicato dos Funcionários Judiciais anunciou esta uma paralisação nacional para 26 de Setembro, seguida de um dia de greve em cada uma das novas comarcas durante todo o mês de Outubro.

Funcionários dos tribunais avançam com paralisação nacional seguida de um mês de greves

Outubro 2014

2 de outubro - Greve dos Trabalhadores da Administração Local

Dirigentes e delegados sindicais, reunidos hoje de manhã em plenário na sede nacional do STAL, marcaram para 2 de Outubro uma jornada de luta e exigem «o descongelamento e publicação imediata» dos acordos colectivos de empregador público (ACEP).

Governo despreza a lei, trabalhadores e autarquias

Dirigentes e delegados sindicais, reunidos em plenário na sede nacional do STAL, marcaram para 2 de Outubro uma jornada de luta e exigem «o descongelamento e publicação imediata» dos acordos colectivos de empregador público (ACEP).

Plenário do STAL marca protesto para 2 de Outubro


Silvia Ribeiro Community Builder Avatar   12.05.2014 (09:29:09)
quais os meus direitos Sim Não

Bom dia, trabalho num lar de idosos, assinei contrato no dia 1 de Outubro de 2013 e termina no dia 30 de Setembro de 2014, o ordenado base é de 485 euros mensais 121.25 euros de subsidio nocturno, no mês de Janeiro recebi 122.25 euros de subsidio de Natal referente aos meses de Outubro, Novembro e Dezembro, neste momento quero apresentar a carta de demissão .
A minha pergunta é quanto tempo tenho que dar á empresa e quais são os meus direitos a receber, ainda me faltam gozar 6 dias de férias referentes aos últimos 3 meses do ano 2013 e também as férias referentes a este ano, muito obrigada.

 
 
  Silvia Ribeiro