Skip to main content
Bem-vindo, Visitante
Tens dúvidas sobre os teus direitos em situação de baixa médica ou outras faltas? Pergunta aqui!

Nova interpretação da AT sobre Reavaliação das Incapacidades

Nova interpretação da AT sobre Reavaliação das Incapacidadesfoi criado por angelogrgarcia@hotmail.com

15 Set. 2023 01:32 - 05 Nov. 2023 14:53 #23658
Boa noite,
Om
Ultima edição : 05 Nov. 2023 14:53 por angelogrgarcia@hotmail.com. Motivo: Desatualizado

Respondido por Pedro Ferreira no tópico Nova interpretação da AT sobre Reavaliação das Incapacidades

15 Set. 2023 09:04 #23661
Bom dia, Ângelo Garcia. Lamentamos saber que está a enfrentar uma situação difícil com a sua reavaliação de incapacidade e a interpretação da AT sobre o princípio de avaliação mais favorável. Pelo que entendemos, tem um atestado de incapacidade de 60% até 31/12/2023 e teme perder os benefícios fiscais se a sua percentagem baixar na reavaliação.

Segundo a informação que encontramos, o princípio de avaliação mais favorável foi reposto pela Lei n.º 80/2021, de 29 de novembro, que aditou uma norma interpretativa ao Decreto-Lei n.º 202/96, de 23 de outubro, que estabelece o regime de avaliação de incapacidade das pessoas com deficiência. Essa norma interpretativa prevê que sempre que do processo de revisão ou reavaliação de incapacidade resulte a atribuição de grau de incapacidade inferior ao anteriormente atribuído, e consequentemente a perda de direitos ou de benefícios já reconhecidos, mantém-se em vigor o resultado da avaliação anterior, mais favorável ao avaliado, desde que seja relativo à mesma patologia clínica que determinou a atribuição da incapacidade e que de tal não resulte prejuízo para o avaliado.

No entanto, a AT emitiu um ofício circulado em agosto de 2022, que contraria o espírito da lei e limita a aplicação do princípio de avaliação mais favorável aos casos em que haja alterações técnicas na tabela nacional de incapacidades. Assim, a AT entende que se o grau de incapacidade baixar por uma nova avaliação médica, sem alteração da tabela, o contribuinte perde os benefícios fiscais.

Esta interpretação da AT tem sido contestada por várias entidades e cidadãos, que consideram que viola os direitos das pessoas com deficiência e contraria a vontade do legislador. Alguns cidadãos já recorreram aos tribunais para defender os seus direitos e obter a devolução dos valores pagos indevidamente.

Não é possível saber quanto tempo demora um processo judicial deste tipo, pois depende de vários fatores, como a complexidade do caso, o número de provas e testemunhas, a disponibilidade dos juízes e dos advogados, etc. No entanto, é provável que leve alguns meses ou até anos até obter uma decisão definitiva. Além disso, é possível que a AT recorra da decisão se esta lhe for desfavorável, o que pode prolongar ainda mais o processo ( pcp.pt/oficio-circulado-no-20244-de-29-d...o-802021-de-2911-nao ).

Se não tem condições financeiras para suportar os custos de um advogado, pode tentar obter apoio judiciário junto da Segurança Social ou da Ordem dos Advogados. O apoio judiciário é um benefício concedido pelo Estado aos cidadãos economicamente desfavorecidos que necessitam de recorrer aos tribunais para defender os seus direitos. O apoio judiciário pode incluir a dispensa ou redução das taxas judiciais, o pagamento faseado das despesas do processo, a nomeação e pagamento da compensação de um advogado ou solicitador oficioso, etc.

Para pedir apoio judiciário, deve preencher um requerimento e entregá-lo num serviço de atendimento da Segurança Social ou num balcão dos serviços online da Segurança Social Direta. Deve também juntar os documentos que comprovem a sua situação económica e jurídica, como por exemplo: o seu documento de identificação, o seu NISS e NIF, o seu atestado médico de incapacidade multiusos, os seus recibos de vencimento ou pensão, as suas declarações fiscais e patrimoniais, etc.
Tempo para criar a página: 0.256 segundos