A internet e todas as suas armadilhas são supostas de oferecer novas eficiências que beneficiam o ambiente. A capacidade de enviar um e-mail ao invés de uma carta física poupa muitas árvores. A videoconferência reduz as emissões de carbono porque as pessoas podem conectar-se frente-a-frente remotamente ao invés de se deslocarem de carro ou de avião para fazê-lo. Os megadados apoiam e continuarão a apoiar uma economia que é muito mais eficiente do que nunca, além de desempenharem um papel na identificação de novas soluções que permitem um desenvolvimento sustentável.

A blockchain desempenha um grande papel nestes desenvolvimentos graças à sua capacidade de descentralizar os dados e processos enquanto também assegura uma segurança de nível superior. De facto, a tecnologia blockchain é amplamente considerada como sendo uma componente enorme dos negócios futuros graças às suas aplicações às cadeiras de abastecimento, cuidados de saúde, seguros, viagens, retalho e inclusive energia. Tal como todas as novas tecnologias, esta também apresenta algumas desvantagens e limitações.

Há preocupação entre alguns grupos que a blockchain possa produzir benefícios para os negócios, mas a destruição do ambiente. Embora haja alguma verdade sobre a argumentação em contextos específicos, a aplicação mais abrangente da blockchain também pode comprovar que o inverso seja verdade: a blockchain poderá ser um dos maiores contribuidores para a sustentabilidade atualmente disponíveis.

Quando é que a Blockchain Pode Prejudicar o Ambiente

A execução de uma blockchain tem o potencial de requerer uma quantidade significativa de eletricidade, particularmente quando se mina criptomoedas. Para minar criptomoedas (ex. para gerar uma nova Bitcoin utilizando um computador), precisa de executar o software da criptomoeda para resolver um tipo de puzzle. A solução e a transação de moedas acabadas de gerar são, de seguida, adicionadas à blockchain. A cada 10 minutos, algum servidor algures no mundo resolve o puzzle e gera uma recompensa, habitualmente de 12,5 bitcoins. No entanto, a solução não se torna parte do registo até que sejam adicionados mais blocos.

O problema por detrás da mineração de criptomoedas é que isto só funciona bem quando feita à escala: um servidor individual é desprezível. Em virtude disso, a mineração da Bitcoin por si só usa a mesma quantidade de energia utilizada por toda a ilha da Irlanda num único ano.

Mesmo fora do contexto da blockchain, a dependência crescente dos servidores necessária para alimentar a blockchain assume um impacto ambiental. Os servidores em si ocupam salas físicas nos edifícios e desperdiçam enormes quantidades de energia. Os centros de dados, em particular, dependem muito da energia. Um único centro de dados pode consumir mais energia do que uma cidade de tamanho médio. Embora algumas empresas, como a Apple, Facebook e Google já estejam a utilizar energia renovável para alimentarem os seus centros de dados.

butterfly

Continuando com a analogia irlandesa, uma rápida viagem à Irlanda demonstra o impacto dos centros de dados não só no uso de energia no ambiente local. A Irlanda experienciou um pico no processamento de dados e, por extensão, um pico nos edifícios que os albergam. Desde de janeiro de 2020, 31 centros de dados têm uma permissão de planeamento na Irlanda e o país já é o lar de algumas das maiores instalações na Europa. Em 2019, o Facebook confirmou que iniciaria a segunda expansão do seu gigante centro de dados irlandês de 86 000 a 150 000 metros quadrados. Edifícios deste tamanho têm os seus respetivos impactos ambientais sem a utilização dos servidores que não podem ser compensados pela utilização de energia renovável.

As Aplicações da Blockchain Ainda Podem Ajudar com o Ambiente

Nem todas as aplicações de blockchain sugam quantidades enormes de recursos. De facto, a blockchain já está a ser utilizada para beneficiar o ambiente de várias diferentes formas. Por exemplo, a Nori utiliza a blockchain como uma ferramenta para alimentar fornecedores de remoção de carbono e eliminar o excesso de carbono da nossa atmosfera. A Fundação Poseidon utiliza “créditos de carbono” para combate as alterações climáticas utilizando a sua plataforma Reduce. Esta analisa um produto para produzir a sua pegada de carbono e relaciona-o com um valor de crédito, que demonstra o verdadeiro custo dinâmico do seu consumo.

No entanto, algumas aplicações de blockchain também têm benefícios ambientais sem se focarem explicitamente na remoção de carbono. Por exemplo, o impacto da blockchain na gestão da cadeia de abastecimento terá benefícios tangíveis para o ambiente enquanto subproduto do seu apoio às cadeias de abastecimento globais.

As cadeias de abastecimento global dos dias de hoje são ambientes complexos que requerem uma enorme quantidade de produtos, partes e processos e, acima de tudo, total cooperação. O produto deste ambiente enfrenta uma cadeia de abastecimento que é amplamente ineficiente e inflexível, e o impacto das cadeias de abastecimento globais no ambiente tem sido devastador. Um relatório da McKinsey demonstra que 90% dos danos provocados no ambiente criados pelos bens de consumo embalados é fruto das cadeias de abastecimento.

A blockchain disponibiliza a estas cadeias de abastecimento complexas uma arquitetura segura e fiável que também é descentralizada. Ela também oferece uma nova opção para procurar estratégias de cadeia de abastecimento sustentáveis que estavam funcionalmente indisponíveis neste ambiente sem a aplicação da blockchain. Além disso, a blockchain também é transparente, portanto, as empresas e os seus parceiros podem ver exatamente onde tudo na sua cadeia está ou para onde vai, a qualquer altura e em qualquer lugar do mundo. Todos poderão tomar decisões mais informadas e isso é poderoso.

A Blockchain Evoluiu Além das Suas Origens Sedentas por Energia

Embora seja verdade que a utilização inicial da blockchain na mineração de criptomoedasfosse famosamente faminta de energia, a verdade é que a blockchain há muito que deixou a sua história original. Embora a mineração de Bitcoins exija enormes quantidades de energia, a qualidade não é uma parte inerente da blockchain. Esta não existe nas suas aplicações mais recentes porque é a Bitcoin — não a blockchain — que é intensiva no trabalho digital.

A realidade é que as aplicações da blockchain em toda a economia, incluindo na gestão da cadeia de abastecimento, cuidados de saúde, governamental, entre outras, poderá oferecer o que muitas tecnologias anteriores conseguiam. As qualidades inerentes da blockchain (transparência, segurança, interoperabilidade) são o que a tornam uma vantagem, não só tecnológica, mas também para o ambiente.

A blockchain pode permitir que a nossa economia encontre processos verdadeira sustentáveis sem passar por alterações enormes e complexas. Caso seja bem-sucedida, então o mundo poderá estar muito mais perto de ir de encontro aos desafios de adaptar-se às alterações climáticas do que pensávamos.

contaminacion

Comentários Recentes

Ana Paula Moreira
3 dias 9 horas

sou pensionista por velhice e pretendo trabalhar por conta de outrem.Serei obrigada a descontar para a segurança social?

António Costa
5 dias 3 horas

Já li vários assunto relacionados com este assunto e nunca vi esclarecimento sobre a que horas se aplica esse período de a ...

Felicty
10 dias 13 horas

Pois vá tentando , pode ser que conecte-se a rede .

Natercia
13 dias 1 hora

Ola boa noite, sou rececionista de hotel, gostaria de saber se é legal, apenas uma mulher fazer o horário noturno 00:00-08: ...

Anna santana
14 dias 19 horas

olha eu tive uns cacarias mas ousadas com um garroto, eu deixe ele coloca apontado pau dele na entra do meu anus, mas foi só ...