Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Artigo 3.º - Relações entre fontes de regulação

1 — As normas legais reguladoras de contrato de trabalho podem ser afastadas por instrumento de regulamentação colectiva de trabalho, salvo quando delas resultar o contrário.

2 — As normas legais reguladoras de contrato de trabalho não podem ser afastadas por portaria de condições de trabalho.

3 — As normas legais reguladoras de contrato de trabalho só podem ser afastadas por instrumento de regulamentação colectiva de trabalho que, sem oposição daquelas normas, disponha em sentido mais favorável aos trabalhadores quando respeitem às seguintes matérias:

a) Direitos de personalidade, igualdade e não discriminação;

b) Protecção na parentalidade;

c) Trabalho de menores;

d) Trabalhador com capacidade de trabalho reduzida, com deficiência ou doença crónica;

e) Trabalhador-estudante;

f) Dever de informação do empregador;

g) Limites à duração dos períodos normais de trabalho diário e semanal;

h) Duração mínima dos períodos de repouso, incluindo a duração mínima do período anual de férias;

i) Duração máxima do trabalho dos trabalhadores nocturnos;

j) Forma de cumprimento e garantias da retribuição;

l) Capítulo sobre prevenção e reparação de acidentes de trabalho e doenças profissionais e legislação que o regulamenta;

m) Transmissão de empresa ou estabelecimento;

n) Direitos dos representantes eleitos dos trabalhadores.

4 — As normas legais reguladoras de contrato de trabalho só podem ser afastadas por contrato individual que estabeleça condições mais favoráveis para o trabalhador, se delas não resultar o contrário.

5 — Sempre que uma norma legal reguladora de contrato de trabalho determine que a mesma pode ser afastada por instrumento de regulamentação colectiva de trabalho entende-se que o não pode ser por contrato de trabalho.

Kunena Avatar
Beatriz Madeira
O código do trabalho em vigor, aprovado pela Lei 7/2009 de 12 Fevereiro, na redação atual (em http://sabiasque.pt/codigo-do-trabalho.html) prevê que o trabalhador com responsabilidad es familiares tenha alguns benefícios/direitos em termos de horários, descritos nos artigos 55 a 58.

O nr. 2 do artigo 212 do mesmo Código obriga o empregador, na elaboração do horário de trabalho, a:
a) Ter em consideração prioritariament e as exigências de protecção da segurança e saúde do trabalhador;
b) Facilitar ao trabalhador a conciliação da actividade profissional com a vida familiar;
c) Facilitar ao trabalhador a frequência de curso escolar, bem como de formação técnica ou profissional.

Nesta matéria sugerimos-lhe que fale com alguém na CITE e/ou na CIG, cujos contactos encontra em http://sabiasque.pt/familia/noticias/2352-denunciar-ou-apresentar-queixa.html, para saber se há algum procedimento que vos possa ajudar em matéria de "conciliação da vida pessoal e profissional".

Kunena Avatar
Regina maria martins Matos
Horas extras em período de amamentação
Boa noite
A empresa onde trabalho obrigou-nos a trabalhar todos os sábados até ao fim de Maio. Reparei que não me pagaram as horas de amamentação, está correto ou essas horas devem ser pagas?
Obrigada

Kunena Avatar
Regina maria martins Matos
Continuação de reclamação
Fiz uma reclamação por email ao ACT e mais tarde falei com a inspetora responsavel por o processo. Foi-me dito que não tinha garantias suficientes e que a lei nao era muito explícita no pagamento das horas de amamentação ao sábado pois eram consideradas horas extras. Imprimiu o parcer do Cite e diz que era nisso que se ia apoiar, até hoje não tenho resposta.
Kunena Avatar
Beatriz Madeira
Um trabalhador não pode ser "obrigado" a trabalhar em dias de descanso semanal ou, no caso, se está a usufruir de uma licença de amamentação. Quando existe uma situação deste género, o empregador deve pagar as horas de trabalho suplementar. Sugerimos que contacte a ACT (contactos em http://sabiasque.pt/familia/noticias/2352-denunciar-ou-apresentar-queixa.html) para esclarecer os seus direitos.
Kunena Avatar
Bruno Freire
Informação
Boa Tarde,eu estou a desempenhar funçoes no refeitório da minha empresa há 2Anos agora querem me mudar para a cozinha,apesar da categoria profissional ser a mesma:Auxiliar de serviços gerais quero saber se me podem mudar assim e se não precisam fazer notificação por escrito?Obrigado!
Kunena Avatar
Beatriz Madeira
À partida, mesmo que seja dentro da mesma categoria profissional, o empregador não pode alterar as condições contratuais negociadas individualmente com o trabalhador, e assentes em contrato assinado por ambas as partes, sem que haja acordo entre as partes. Sugerimos-lhe que verifique no seu contrato se há alguma referência à possibilidade de alteração de funções. Caso afirmativo, então o empregador pode alterar as suas funções sem pedir o seu acordo. Caso negativo, sendo que o seu contrato deve dizer claramente quais as funções para que está a ser contratado, então o empregador não poderá fazer a alteração sem o seu acordo, com adenda ao contrato assinada por ambas as partes.
Kunena Avatar
Maria Celeste Neto
Duvidas/Esclarecimentos
Bom dia.
Gostava de saber se com este acordo de revogação de contrato de trabalho posso requerer o subsidio de desemprego e se posso não aceitar a indemenização em pagamentos fazeados?
Grata desde já pela atenção,
Mª. Celeste Neto

Kunena Avatar
JOSE LACERDA
FERIAS
No ano 2016 estive ao serviço até 30-10-2016, apartir dessa data estive de baixa médica. Agora em 2017 quantos dias de férias tenho direito referente ao periodo que estive a trabalhar em 2016.
Muito obrigado pela vossa colaboração.

Fico aguardar vossas noticias.

Melhores cumprimentos,
José Lacerda

Kunena Avatar
Eliseu Martins
Despedimento por justa causa
Quando se considera iniciada a fase de inquerito, sendo que tomei conhecimento da acusacao no dia 27/7/2017, que terminou com uma ata e a minha suspensao; recebi a nota de culpa no dia 25/8/2017 onde relata duas reunioes com dois colaboradores que me denunciaram no dia 21/7/2017. Obrigado.
Kunena Avatar
Marta Oliveira
Direito na proteção da gravidez
Marta Oliveira

Boa tarde trabalho num hospital no sector de limpeza e estou grávida de 23 semanas informei a minha entidade patronal do mesmo. A minha questão é eu estou numa infectologista a fazer limpeza tal como já me colocaram na imagiologia (RX) falei com a minha médica que está a acompanhar a gravidez e o que ela disse foi que a minha :unsure: patronal não pode fazer isso ou então passa me um papel no qual diz que não tem posto para mim... Mas se eu já informei a médica ela não deviria me passar baixa de risco visto que o mesmo acontece?

2000 Caracteres remanescentes


Destaques Agenda

Comentários Recentes

Kunena Avatar Beatriz Madeira
4 days 8 hours

Deixamos-lhe duas sugestões: 1. Verifique o que está descrito no guia da PriceWaterhouseCoopers (uma das maiores consultor ...

Kunena Avatar Beatriz Madeira
4 days 8 hours

Em princípio não poderá recusar. Contacte a CITE – COMISSÃO PARA A IGUALDADE NO TRABALHO E NO EMPREGO para obter um par ...

Kunena Avatar Anonymous
4 days 21 hours

Será todo de uma vez. Para fazer contas falta saber a idade mais próxima à data da alta

Kunena Avatar Anonymous
4 days 21 hours

primeiro, a idade que importa é a que tinha à data da alta bem como saber a sua data de nascimento (para saber se se aproxi ...

Kunena Avatar Sónia
4 days 21 hours

Conte, no mínimo, com 2 meses.