O mundo dos videogames é mais tolerante hoje?

Entre os mais jovens, os jogos são sensações 365 dias por ano. A Geração X está a jogar videogames em smartphones, consoles de jogos e computadores pelo menos semanalmente, se não diariamente. De jogos de plataforma aos de casinos, como no Ice Casino, estes videogames são cada vez mais populares.

Se as tendências atuais continuarem, os jogos podem atrair mais público para longe do streaming de TV e do consumo de filmes. A indústria global de videogames é enorme, estimada em US $162 bilhões e a crescer 10% ao ano.

E este crescimento significa que eles estão a se adaptar também aos novos cenários. Mas será que estão mais tolerantes às mudanças sociais?

As plataformas de jogos conhecem seu público.

As empresas de jogos têm acesso a muitos dados sobre o comportamento do usuário. Eles podem saber quais jogos eles jogam e com que frequência. Também acompanham quanta experiência os jogadores desenvolveram e quais os jogos que provavelmente escolherão em seguida. Há ainda os programas beta e eventos de lançamento. Assim, se mantém engajado com os jogadores por meio de mídias sociais e streaming.

Tradicionalmente, a atenção da indústria tem se concentrado em uma população menor. Eles focam em jogadores profissionais, streamers e puristas de consoles experientes que vivem e respiram títulos estabelecidos. No entanto, há uma população significativa de mulheres e pessoas LGBTQI+ a jogar que passam várias horas por dia ou semana. Elas desfrutam de uma variedade de gêneros e plataformas, mas não necessariamente se identificam como ‘gamers’.

Para atrair essas pessoas, as empresas começaram a mudar suas estratégias. Aos poucos, passaram a criar conteúdo que ajuda os iniciantes a mergulhar na mecânica e na linguagem do título. Trouxeram também os "campos de treinamentos" seguros. Neles, os usuários de diferentes experiências podem se sentir confortáveis para entender melhor o jogo.

O jogo é social

A média social tradicional é uma porta de entrada para os jogos. Mas muitos dos principais jogos multiplayer estão a cultivar suas próprias redes sociais grandes e robustas sem o suporte das plataformas tradicionais. Cada vez mais, eles estão a hospedar seus próprios eventos de média global além dos jogos. As empresas de jogos também integraram com sucesso serviços de streaming social e bate-papo em seu ecossistema.

E as empresas mais diversificadas tentam atrair mais mulheres para jogar do que nunca. Poucas mulheres que jogam sentem que pertencem à comunidade de jogos. Muitos deles acham suas formalidades - regras, linguagem e costumes - obsoletos e desanimadores. Afinal, esse gatekeeping tende a celebrar apenas um estilo de jogo mais tradicional.

Elas preferem ficar fora dos holofotes e evitar a cultura de trolls online, em vez de construir suas próprias micro-comunidades. Por isso, não buscam aplicativos de mensagens, e preferem apenas manter as amizades no mundo real, onde compartilham conteúdo e discutem o progresso de maneira descontraída, sem se preocupar com usuários tóxicos..

A diversidade tem crescido nos videogames

Nos primeiros dias dos jogos, os personagens LGBTQ+ eram mais comumente representados como homens gays. No entanto, lésbicas, personagens não-binários e trans apareciam com pouca frequência. Mas nos últimos anos, há muito mais grupos LGBTQ+ representados em quantidades quase iguais, a representar todo o espectro de sexualidades.

E isso porque as empresas têm escritórios e equipes de desenvolvimento mais diversificados do que nunca. Eles estão a tentar garantir que o talento certo esteja presente na mesa. No entanto, mesmo com um amplo espectro de origens, experiências e pontos de vista, esses negócios ainda têm um longo caminho a percorrer. Especialmente quando se trata de seus executivos. Quanto mais uma equipe representa os jogadores com os quais está a tentar se conectar, melhor eles podem expressar e expressar suas necessidades.

Empresas como a Bioware permitem que as pessoas construam mais opções de personalização de personagens. Assim, refletem uma maior diversidade em jogos de RPG. Eles fornecem uma variedade de opções para características físicas (como tons de pele, formatos de rosto, texturas de cabelo ou tipos de corpo). Além disso, as aparências estéticas (roupas ou acessórios) dão aos jogadores uma sensação divertida de expressão criativa.

Conclusão

A representação permite uma imersão mais profunda. O compartilhamento de características como raça, gênero, habilidade física, estilo ou até personalidade ajuda as pessoas a se relacionarem e podem puxar os jogadores para o universo do jogo.

Mas empresas de jogos, os títulos que fazem e as listas de e-sports ainda não correspondem ao público de jogos em evolução. Ou seja, desnecessário será dizer que a indústria de jogos tem um longo caminho a percorrer enquanto continua a melhorar seus esforços de diversidade.

Os desenvolvedores de jogos e os principais editores precisam reconhecer o valor comercial e a importância social de ouvir suas amplas e diversas comunidades de jogos, a trabalhar para garantir que o conteúdo seja inclusivo e representativo para todos os jogadores.

Isso é especialmente verdadeiro para comunidades de jogos online, onde a diversidade é uma consideração essencial para os desenvolvedores envolverem, reterem e monetizar mais jogadores. No entanto, certo que o cenário atual é muito mais diversificado e tolerante agora do que há 10 ou até 5 anos atrás.

Comentários Recentes

WALTER DA SILVA GOUVEIA
1 hora 45 minutos

O MEU NÚMERO DO BILHETE NAO ESTÁ ELEGÍVEL

Mónica Saldanha
3 horas 55 minutos

Qual é o critério que define a obrigatoriedade de os abonos estarem sujeitos a descontos?

Anonimo
1 dia 13 horas

Eu e o meu namorado estavamos ambos de roupa calçoes e roupa intima mas minha calcinha e short estava um bocado para ao lado ...