Índice do artigo

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

O Ministro da Solidariedade e da Segurança Social, Pedro Mota Soares, afirmou que a criação de uma linha de crédito de 150 milhões de euros para as instituições sociais constitui uma «bolsa de oxigénio» para «ajudar quem ajuda». O Ministro falava durante a assinatura do protocolo com o Montepio Geral que decorreu no Ministério da Solidariedade e da Segurança Social, em Lisboa, onde esteve também presente o Primeiro-Ministro, Pedro Passos Coelho.

logo governo Pedro Mota Soares referiu que o Governo tinha inicialmente previsto «lançar uma linha de crédito de 50 milhões de euros» mas que acabou por conseguir um reforço de mais 100 milhões de euros, junto da mesma instituição bancária.

Conforme explicou o Ministro, esta linha crédito, com duração de sete anos e juros bonificados, não será exclusiva, mas é prioritária para as instituições que têm projetos no âmbito do Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais (PARES), do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) ou que fizeram obras de investimento.

Pedro Mota Soares destacou também que o acesso a essa linha de crédito «implica um claro comprometimento de reestruturação organizativa, económica e financeira das instituições sociais».

«São 150 milhões de euros para ajudar quem ajuda, 150 milhões de euros como uma bolsa de oxigénio para as instituições se readaptarem às circunstâncias e às exigências que hoje têm e poderem recuperar a sua sustentabilidade», acrescentou.

Como causa para as dificuldades financeiras vividas por aquelas instituições, o Ministro referiu a criação do PARES, através do qual as instituições sociais tiveram uma comparticipação financeira superior a 223 milhões de euros, representando «mais de 51 por cento do seu investimento total».

O Ministro relembrou ainda que é prioridade do Governo «fortalecer o terceiro setor», permitindo «um novo paradigma de resposta social», em que as instituições particulares de solidariedade social atuem em parceria e em condição de igualdade com o Estado.

«Só com parceiros conseguiremos dar resposta a um maior número de situações. O Estado, por si só, pela sua dimensão, por ter recursos limitados, por ter maior dificuldade em se adaptar às novas exigências, não consegue chegar a tudo e a todos», referiu Pedro Mota Soares, acrescentando que «Portugal, em parceria, saberá dar a volta».

pdfDiscurso do Ministro da Solidariedade e Segurança Social na assinatura do protocolo para criação de linha de crédito de apoio a instituições sociais

Fonte: Portal do Governo

4000 Caracteres remanescentes


Código do Trabalho

Código do Trabalho

O código do trabalho apresentado nesta página (Lei n.º 7/2009) e artigos anexos está em vigor desde Fevereiro de 2009 e foi atualizado com as alterações introduzidas . Para consultar o...

Comentários Recentes

Alice Machado
1 dia 12 horas

Olá, boa noite. Eu e meu namorado estamos voltando para o Brasil e pretendemos voltar, porém ainda não sabemos quando devi ...

Anónimo
6 dias 11 horas

Boa tarde estou gravida e fiquei de baixa de risco no dia 22 de agosto. Agora não sei como funciona isto do pagamento do sub ...

Carla silva
12 dias 18 horas

Em 2015 fui diagnosticada com um cancro maligno da tiroide, fiz cirurgia e tratamento, foi-me atribuída uma incapacidade de ...

Alexandre Vieira
14 dias 18 horas

No ponto 6 deste artigo (94) é referido que "não podem ser acumulados os direitos". Isso significa que não posso simultane ...

Jéssica
18 dias 4 horas

Oi meu nome é Jéssica e tenho uma dúvida MT grande eu e meu namorado nunca tivesse relações sexuais com penetração, nu ...