Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

As comparticipações da segurança social são, normalmente, revistas todos os anos. No entanto há que averiguar a forma como são feitas estas revisões. Para isso deve ter-se em consideração o total de rendimento mensal do utente, que advém quer de pensões de reforma, invalidez, social ou outras, quer de bens próprios ou outros rendimentos que se apresentem com carácter de regularidade.

Existem vários tipos de respostas sociais para pessoas idosas
Existem documentos que têm de estar afixados nos lares
A mensalidade de um lar não inclui tudo o que é necessário para o idoso
Lares comparticipados pela Segurança Social

Tem-se também em conta que é permitida a comparticipação familiar sendo determinada proporcionalmente ao rendimento do agregado familiar. Por esta razão já existem instituições que solicitam o IRS do agregado familiar do idoso em questão. No caso do idoso, à data de ser integrado na instituição, viver sozinho, o seu agregado familiar é denominado isolado, nesta situação existem casos de instituições em que é solicitado aos filhos os seus IRS. A partir destes elementos é calculado o rendimento “per capita” de acordo com a seguinte fórmula:

 

         RF-D

R= ---------------

           N

 

Legenda:

R= Rendimento “per capita”

RF= Rendimento mensal ilíquido da agregado familiar

D= Despesas fixas

N= Número de elementos do agregado familiar

 

Contudo, a comparticipação familiar é determinada pela aplicação de uma percentagem sobre o rendimento “per capita” do agregado familiar. No caso de Lar de Idosos a percentagem é de 70% que poderá ser elevada até 85% do rendimento “per capita”, consoante a dependência do idoso, sendo 70% um idoso pouco ou nada dependente e 85% totalmente dependente.

A comparticipação familiar máxima calculada não pode exceder o custo médio real do utente apurado pela instituição, este valor é calculado em função do valor das despesas efectivamente verificadas no ano anterior com o funcionamento do serviço, em questão, sendo actualizado de acordo com o índice de inflação e em função do número de utentes que frequentam o serviço no mesmo ano. Quando a instituição ou serviço são novos, o custo real do utente é calculado com base nas despesas orçamentadas e o número de utentes previsto para o ano correspondente.

Todas estas informações devem constar no Regulamento Interno da instituição que é obrigatório. Poder-se-á também solicitar um esclarecimento por escrito ao Instituto de Segurança Social, através do livro de reclamações da instituição, também obrigatória a sua existência, e que não serve apenas para efectuar uma reclamação, mas também para pedir esclarecimentos.

Fonte: Modelo de regulamento das comparticipações dos utentes e seus familiares pela utilização de serviços e equipamentos sociais das instituições particulares de solidariedade social do Ministério do Trabalho e Segurança Social.

Kunena Avatar
Elisabete Rodrigues
peço informação como inscrever
A minha mãe tem 87 anos operada ao colo fémur está em recuperação, tem mobilidade reduzida. Pensão de 650,00 €.preciso de lar pois trabalho.
Com os meus melhores cumprimentos
Elisabete Rodrigues

Kunena Avatar
Gustavo
*********
Contacto ********* posso ajudá-la se tiver intressada
Kunena Avatar
Teresa
Preciso urgente de Lar para o meu pai
Ola ,preciso saber como fazer ,pois preciso de um lar urgente para o meu pai .,,pois esta sozinho .Esta inscrito desde 2014 num Lar de Mogo de Anciaes ,e so me dizem que nao ha vagas .Nao ha uma forma ou entidade que me ajude no sentido de ter logo um lugar ?Onde posso me informar ?Ele esta no hospital ,mas logo saira ,e os filhos estao todos fora do pais ,que e onde posso me dirigir para resolver urgente .Obrigado.
Kunena Avatar
Beatriz Madeira
O melhor seria falar com a segurança social (Centro Distrital), com a Junta de Freguesia ou outra instituição que tenha a mesma resposta social (Lar). Poderá utilizar a Carta Social (http://www.cartasocial.pt/index2.php) para pesquisar lares homologados pela segurança social.
Kunena Avatar
Ângela Fins
Quanto vale ter o nosso familiar bem cuidado?
Boa tarde.

Desde muito nova que os velhinhos -como lhes chamo carinhosamente, me fascinam. Desde os meus 17 anos que me dedico a cuidar de adultos vulneráveis e não me imagino a fazer nada mais. Em Portugal infelizmente, a minha profissão não tem merecido o respeito que devia ter. Quer em condições de trabalho, quer em remuneração adequada, quer em formação para aqueles profissionais que como eu querem fazer o seu trabalho cada vez melhor. Hoje em dia, com 20 anos de experiencia e varias formações na área, vejo me obrigada a explorar o mercado de trabalho no estrangeiro, porque em Portugal tanto empresas como particulares preferem ter alguém sem qualificações a quem podem facilmente justificar o curto ordenado mínimo que lhe pagam e a quem ainda exigem que faça limpezas, jardinagem e sabe se lá mais o que.

Kunena Avatar
Ademar Tavares
Contribuíção mensal para um lar
Bom dia,
venho desta forma solicitar informações para o seguinte:
Somos 2 irmão com o nosso pai internado numa instituição da Santa Casa da Misericórdia. Está institucionaliz ado desde 2013. Nessa altura entrou com a minha mãe que entretanto faleceu. No contrato que foi assinado ficou estipulado que pagaria 600 euros/mês. Recentemente essa contribuição foi aumentada em 70 euros que ainda não está em vigor. O que pergunto é o seguinte; quais os critérios que utilizam para essa subida? Há alguma lei que regulamenta estas subidas? Que cálculo foi aplicado para chegarem a este valor? Ainda não tivemos acesso aos estatutos da instituição mas certamente e legalmente não deverão poder efetuar um aumento tão alto. Há uma cláusula no contrato que diz que os aumentos serão aplicados a partir de janeiro de cada ano, mas neste caso disseram que seria a partir de agosto deste ano por causa dos emigrantes que estiveram cá nessa altura.
A reforma que o meu pai aufere do estrangeiro e de cerca 670 euros líquidos. Se o aumento que efetuarem for de 70 euros o que sobra para a medicação? Para as idas aos centros de saúde, etc.? para os gastos do dia a dia? De referir que o meu pai é ainda bastante autónomo embora tome bastante medicação.
A medicação, consultas, idas a hospitais e outras valências é tudo pago à parte por nós. No início ficou apalavrado que seria tudo incluído no valor pago mensalmente, o que não ficou lavrado no contrato. O contrato assinado por ambas as partes não serve para nada?
Tudo o que foi exposto aqui foi falado por telefone e pessoalmente, não havendo nenhum documento escrito. Neste momento querem fazer uma adenda ao contrato que define o aumento em 70 euros. Não somos contra o aumento apenas não entendemos o valor ser tão alto, deveria ser um valor mais razoável e justo.
Fico grato por uma possível resposta para este aumento.
Obrigado.

Kunena Avatar
António Manuel
comparticipação lar idoso numa IPSS
Uma IPSS com a valência de Lar de Idosos com determinado número de camas devidamente licenciada pela segurança social, é comparticipada por esta em apenas cerca de 60% da capacidade aprovada. No calculo das mensalidades têm dois critérios: Para os utentes que tenham a sorte de ocupar as vagas comparticipadas (60%) pagam um valor fixo inferior. Os restantes utentes (40%) porque estão excluídos sem culpa alguma, da comparticipação da SS e por vezes até, com rendimentos muito inferiores aos que beneficiam da comparticipação, é-lhes aplicada uma mensalidade cerca de 35% mais elevada.
Gostaria de saber se está correto este procedimento, ou se para ambos os casos o critério de cálculo é sempre baseado na fórmula da SS, não podendo em caso algum ultrapassar o custo real do utente apurado pela IPSS, desde que mencionado no respetivo regulamento interno.

Kunena Avatar
José Carlos
Resposta
O procedimento é igual para todos
Kunena Avatar
Maria Gomes
Maus tratos a idosos
Boa noite,

Tenho o meu pai com demência e está ao cuidado da minha mãe que não tem problemas além dos normais da velhice.

O problema só começa quando a minha mãe maltrata o meu pai a nível verbal, insultando-o de tudo o que é palavrão existente, acrescendo que neste momento o meu pai já se vai descuidando volta e meia piorando um pouco a situação.

A minha mãe, que acho normal não conseguir tratar dele pois é um homem bastante grande, não quer que ninguém venha cá a casa cuidar dele pois teria de pagar como é óbvio não lhe interessa.

Esqueci-me de mencionar que o meu pai tem duas reformas e a mais baixa delas é de 1000€, mas a minha mãe não tem interesse em pô-lo num lar pois assim não terá dinheiro para fazer a vida que quer.

Estou a contactar para saber a quem me dirigir para resolver esta situação.

Atenciosamente
Maria

Kunena Avatar
Beatriz Madeira
Informação sobre lares comparticipados pela segurança social em http://sabiasque.pt/lares-comparticipados -pela-seguranca-social.html

Para procurar um lar homologado pela segurança social deve aceder à Carta Social em http://www.cartasocial.pt/index1.php

2000 Caracteres remanescentes


Destaques Agenda

Comentários Recentes

Kunena Avatar Bernardo
20 hours 54 minutes

Boa Noite , eu comecei recentemente a trabalhar nos CTT do Porto(dia 20) e ainda não recebi o meu cartão para picar o ponto ...

Kunena Avatar Beatriz Madeira
5 days 7 hours

Deixamos-lhe duas sugestões: 1. Verifique o que está descrito no guia da PriceWaterhouseCoopers (uma das maiores consultor ...

Kunena Avatar Beatriz Madeira
5 days 7 hours

Em princípio não poderá recusar. Contacte a CITE – COMISSÃO PARA A IGUALDADE NO TRABALHO E NO EMPREGO para obter um par ...

Kunena Avatar Anonymous
5 days 19 hours

Será todo de uma vez. Para fazer contas falta saber a idade mais próxima à data da alta

Kunena Avatar Anonymous
5 days 19 hours

primeiro, a idade que importa é a que tinha à data da alta bem como saber a sua data de nascimento (para saber se se aproxi ...