Novo Regulamento para a Interoperabilidade Digital a Administração Pública

Votos de utilizador:  / 3
FracoBom 

Novo Regulamento para a Interoperabilidade Digital é um ponto de viragem no sector das TIC na Administração Pública.

A ESOP - Associação de Empresas Open Source Portuguesas congratula o Governo pela aprovação e publicação da Resolução do Conselho de Ministros n.o 91/2012, no passado dia 8 de Novembro, a qual estabelece o Regulamento Nacional de Interoperabilidade Digital, definindo as especificações técnicas dos formatos digitais a adoptar pela Administração Pública portuguesa.

Tribunal anula concurso público de software Microsoft no Município de Almada  
Governo aprova regulamento que liberaliza mercado de sistemas informáticos do Estado
PCP acusa Governo de "Bloqueio à aplicação da Lei das Normas Abertas nos Sistemas Informáticos do Estado"
Normas Abertas na Administração Pública aprovadas em definitivo

Nos últimos anos, a ESOP tem vindo a defender publicamente a necessidade de definições claras quanto aos formatos e protocolos a adoptar pela Administração Pública nos sistemas de informação, com o objectivo de assegurar melhor interoperabilidade entre sistemas, maior transparência, independência e igualdade nos processos de contratação de soluções TIC, menor custo e melhor preservação da informação pública.

A ESOP acompanhou e participou no debate e na preparação da Lei n.o 36/2011 que estabelece a adopção de normas abertas nos sistemas informáticos do Estado, aprovada no Parlamento em Abril de 2011. O Regulamento agora publicado vem dar corpo aos princípios aí vertidos, ao definir, em concreto, quais as normas abertas, formatos de ficheiros e protocolos que, a partir deste momento, são obrigatórios ou recomendados para utilização na Administração Pública portuguesa.

O Regulamento Nacional de Interoperabilidade Digital

Após análise do texto publicado a ESOP considera que, de um modo geral, as opções de formatos para os sistemas de informação do Estado constituem boas soluções. Por um lado, o conjunto de normas não é demasiado extenso dando-se prioridade à categorias funcionais em que os problemas de interoperabilidade mais se fazem sentir. Por outro lado, optou-se por definir um só formato para cada categoria, medida que a ESOP sempre defendeu e na ausência da qual o Regulamento teria um impacto reduzido.

O Regulamento e as normas abertas agora adoptadas constituem um instrumento fundamental para a prossecução das medidas adoptadas pelo Governo no âmbito do Plano Global Estratégico para as TIC, aprovado em 2012 e contribuem para uma maior abertura da Administração Pública relativamente ao mercado e aos possíveis fornecedores de soluções de TIC.

Os desafios do novo Regulamento

A adopção de normas abertas nos sistemas do Estado implica um esforço de mobilização e de gestão de mudança em todos os sectores da Administração Pública, em milhares de sistemas de informação do Estado. Por esse motivo, importa garantir o envolvimento de todos os intervenientes, cabendo à AMA - Agência para a Modernização Administrativa um papel central na gestão e controlo deste processo.

A adopção destas medidas representa uma mudança que trará, a médio e longo prazo, um ganho significativo na redução de custos, na capacidade de desenvolvimento de projectos TIC interoperáveis e na qualidade da informação pública.

Open source e normas abertas

Pela sua natureza e filosofia, a maioria das soluções de software Open Source adoptam standards e normas abertas para o registo, partilha e comunicação de dados, pelo que, a ESOP entende que as empresas suas associadas estão aptas a contribuir, de forma activa e muito positiva, para a prossecução dos objectivos que resultam da adopção de novos formatos e normas nos sistemas de informação do Estado.

A ESOP comunicou às empresas suas associadas a obrigatoriedade da adopção das normas abertas presentes no Regulamento em todos os produtos fornecidos ao Estado.

Normas Abertas nas Autarquias

Por último, importa dizer que a Lei n.o36/2011 não é aplicável às autarquias, embora estas, de forma voluntária, possam adoptar as regras agora definidas para a restante Administração Pública. A ESOP continuará a defender, junto das entidades competentes, a extensão da aplicabilidade da Lei e do Regulamento a outras entidades.


Smileys

:confused: :cool: :cry: :laugh: :lol: :normal: :blush: :rolleyes: :sad: :shocked: :sick: :sleeping: :smile: :surprised: :tongue: :unsure: :whistle: :wink: 

Para garantir uma resposta às suas perguntas, utilize preferencialmente o nosso fórum.
Faça login para ver mais rapidamente que o seu comentário foi publicado.
Para sua segurança, não permitimos a inclusão de dados de contacto pessoais nos comentários como endereços de correio eletrónico ou números de telefone. Para contactar outros utilizadores do site, registe-se e estabeleça uma ligação para poderem trocar mensagens.

  4000 caracteres disponíveis

Antispam Actualizar imagem Não é sensível a maiúsculas

 

Destaques Agenda