Código do Trabalho - Histórico Atualizado

O código do trabalho apresentado neste artigo está em vigor desde Fevereiro de 2009.

Consulte o artigo CÓDIGO DO TRABALHO em vigor com atualizações para ver a versão final.

O código do trabalho apresentado nesta página (Lei n.º 7/2009) e artigos anexos está em vigor desde Fevereiro de 2009 e foi atualizado com as alterações introduzidas pela Lei n.º 105/2009 de 14 de Setembro (1), pela Lei n.º 53/2011 de 14 de Outubro (2), pela Lei n.º 3/2012 de 10 de janeiro (3),  pela Lei n.º 23/2012 de 25 junho (4), pela Lei n.º 47/2012 de 29 de agosto (5), pela Lei n.º 69/2013 de 30 de agosto (6), pela Lei n.º 27/2104 de 8 de maio (7), pelo Acórdão do Tribunal Constitucional n.º 602/2013 de outubro de 2013 (8), pela Lei n.º 55/2014 de 25 de agosto (9), pela Lei n.º 28/2015 de 14 de abril (10), pela Lei n.º 8/2016 de 1 de abril (11), pela Lei n.º 28/2016 de 23 de agosto (13), pela Lei n.º 73/2017 de 16 de agosto (14) e pela Declaração de Retificação n.o 28/2017 (15).

(1) Lei n.º 105/2009 de 14 de Setembro: Regulamenta e altera o Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, e procede à primeira alteração da Lei n.º 4/2008, de 7 de Fevereiro.

(2) Lei n.º 53/2011 de 14 de Outubro: Procede à segunda alteração ao Código do Trabalho, estabelecendo um novo sistema de compensação em diversas modalidades de cessação do contrato de trabalho, aplicável aos novos contratos de trabalho.

(3) Lei n.º 3/2012 de 10 de janeiro: Com esta nova lei, os contratos de trabalho a termo certo com término até ao próximo dia 30 de Junho de 2013, contanto com todas as renovações legais admissíveis, podem ainda ser renovados por mais duas vezes até um limite de 18 meses.

(4) Lei n.º 23/2012 de 25 junho: Procede à terceira alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro.

código do trabalho(5) Lei n.º 47/2012 de 29 de agosto: Procede à quarta alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, por forma a adequá -lo à Lei n.º 85/2009, de 27 de agosto, que estabelece o regime da escolaridade obrigatória para as crianças e jovens que se encontram em idade escolar e consagra a universalidade da educação pré -escolar para as crianças a partir dos 5 anos de idade.

(6) Lei n.º 69/2013 de 30 de agosto: Ajusta o valor da compensação devida pela cessação do contrato de trabalho.

(7) Lei n.º 27/2104 de 8 de maio: Procede à sexta alteração ao Código do Trabalho, altera os critérios de despedimento por inadaptação e por extinção de posto de trabalho

(8) Acórdão do Tribunal Constitucional n.º 602/2013 de outubro de 2013: Acórdão do Tribunal Constitucional n.º 602/2013 - Processo n.º 531/12

(9) Lei n.º 55/2014 de 25 de agosto: Procede à sétima alteração ao Código do Trabalho, alterando a regulamentação da contratação coletiva.

(10) Lei n.º 28/2015 de 14 de abril: Consagra a identidade de género no âmbito do direito à igualdade no acesso a emprego e no trabalho.

(11) Lei n.º 120/2015 de 1 de setembro: Procede à nona alteração ao Código do Trabalho, reforçando os direitos de maternidade e paternidade.

(12) Lei n.º 8/2016 de 1 de abril: Procede à décima alteração ao Código do Trabalho, repondo feriados nacionais.

(13) Lei n.º 28/2016 de 23 de agosto: Procede à décima primeira alteração ao Código do Trabalho, combatendo as formas modernas de trabalho forçado.

(14) Lei n.º 73/2017 de 16 de agosto: Reforça o quadro legislativo para a prevenção da prática de assédio, procedendo à décima segunda alteração ao Código do Trabalho, aprovado em anexo à Lei n.o 7/2009, de 12 de fevereiro, à sexta alteração à Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, aprovada em anexo à Lei n.o 35/2014, de 20 de junho, e à quinta alteração ao Código de Processo do Trabalho,  aprovado pelo Decreto-Lei n.o 480/99, de 9 de novembro.

(15) Declaração de Retificação n.o 28/2017 de 2 de outubro: retificação do n.o 3 do artigo 563.o do Código do Trabalho.


Joana Costa Community Builder Avatar   15.04.2018 (18:01:23)
Valor / hora de formação não concebida Sim Não

Recebi a carta de rescisão de contrato, a entidade empregadora no decorrer da duração de contrato de trabalho, não me concebeu horas de formação a que tinha direito (35h) qual o valor em crédito a receber para efeito de contas finais.

Obrigada

 
 
       
 
Beatriz Madeira Community Builder Avatar   10.05.2018 (17:30:50)
Sim Não

O valor do crédito da hora de formação é equivalente ao valor hora que lhe é pago em termos de remuneração.

 
 
  Beatriz Madeira      
 
Liliana Costa Community Builder Avatar   12.04.2018 (12:47:10)
Horário tarde/nocturno em período de apeitaçao Sim Não

Boa tarde, eu fui mae à 8 meses, e regressei ao trabalho dia 5 de Março. Até agora tudo muito bem, no entanto esta semana querem-me por a trabalhar o horário das 16h às 00h. Sou obrigada a fazer este horário? Outra dúvida que tenho, visto que a creche está fechada aos fins de semana, e tendo folgas supostamente rotativas, sou obrigada a trabalhar aos fins de semana? Não obstante de referir, eu e o meu marido trabalhamos no mesmo sítio!! Agradeço a vossa ajuda!!!

 
 
       
 
Beatriz Madeira Community Builder Avatar   10.05.2018 (17:42:52)
Sim Não

O Código do Trabalho em vigor, aprovado pela Lei 7/2009 de 12 Fevereiro, na redação atual (em http://sabiasque.pt/codigo-do-trabalho.html) prevê que o trabalhador com responsabilidades familiares tenha alguns benefícios/direitos em termos de horários, descritos nos artigos 55 a 58.

O nr. 2 do artigo 212 do mesmo Código obriga o empregador, na elaboração do horário de trabalho, a:
a) Ter em consideração prioritariamente as exigências de protecção da segurança e saúde do trabalhador;
b) Facilitar ao trabalhador a conciliação da actividade profissional com a vida familiar;
c) Facilitar ao trabalhador a frequência de curso escolar, bem como de formação técnica ou profissional.

Nesta matéria sugerimos-lhe que fale com alguém na CITE e/ou na CIG, cujos contactos encontra em http://sabiasque.pt/familia/noticias/2352-denunciar-ou-apresentar-queixa.html, para saber se há algum procedimento que vos possa ajudar em matéria de "conciliação da vida pessoal e profissional".

 
 
  Beatriz Madeira      
 
Regina maria martins Matos Community Builder Avatar   03.04.2018 (23:39:54)
Horas extras em período de amamentação Sim Não

Boa noite
A empresa onde trabalho obrigou-nos a trabalhar todos os sábados até ao fim de Maio. Reparei que não me pagaram as horas de amamentação, está correto ou essas horas devem ser pagas? Obrigada

 
 
       
 
Beatriz Madeira Community Builder Avatar   10.05.2018 (18:33:17)
Sim Não

Um trabalhador não pode ser "obrigado" a trabalhar em dias de descanso semanal ou, no caso, se está a usufruir de uma licença de amamentação. Quando existe uma situação deste género, o empregador deve pagar as horas de trabalho suplementar. Sugerimos que contacte a ACT (contactos em http://sabiasque.pt/familia/noticias/2352-denunciar-ou-apresentar-queixa.html) para esclarecer os seus direitos.

 
 
  Beatriz Madeira      
 
Bruno Freire Community Builder Avatar   26.03.2018 (19:00:23)
Informação Sim Não

Boa Tarde,eu estou a desempenhar funçoes no refeitório da minha empresa há 2Anos agora querem me mudar para a cozinha,apesar da categoria profissional ser a mesma:Auxiliar de serviços gerais quero saber se me podem mudar assim e se não precisam fazer notificação por escrito?Obrigado!

 
 
       
 
Maria Celeste Neto Community Builder Avatar   14.12.2017 (11:37:03)
Duvidas/Esclarecimentos Sim Não

Bom dia. Gostava de saber se com este acordo de revogação de contrato de trabalho posso requerer o subsidio de desemprego e se posso não aceitar a indemenização em pagamentos fazeados?
Grata desde já pela atenção,
Mª. Celeste Neto

 
 
       
 
JOSE LACERDA Community Builder Avatar   05.09.2017 (12:26:25)
FERIAS Sim Não

No ano 2016 estive ao serviço até 30-10-2016, apartir dessa data estive de baixa médica. Agora em 2017 quantos dias de férias tenho direito referente ao periodo que estive a trabalhar em 2016.
Muito obrigado pela vossa colaboração.

Fico aguardar vossas noticias.

Melhores cumprimentos,
José Lacerda

 
 
       
 
Eliseu Martins Community Builder Avatar   31.08.2017 (13:05:38)
Despedimento por justa causa Sim Não

Quando se considera iniciada a fase de inquerito, sendo que tomei conhecimento da acusacao no dia 27/7/2017, que terminou com uma ata e a minha suspensao; recebi a nota de culpa no dia 25/8/2017 onde relata duas reunioes com dois colaboradores que me denunciaram no dia 21/7/2017. Obrigado.

 
 
       
 
Marta Oliveira Community Builder Avatar   25.08.2017 (13:57:36)
Direito na proteção da gravidez Sim Não

Marta Oliveira
Boa tarde trabalho num hospital no sector de limpeza e estou grávida de 23 semanas informei a minha entidade patronal do mesmo. A minha questão é eu estou numa infectologista a fazer limpeza tal como já me colocaram na imagiologia (RX) falei com a minha médica que está a acompanhar a gravidez e o que ela disse foi que a minha :unsure: patronal não pode fazer isso ou então passa me um papel no qual diz que não tem posto para mim... Mas se eu já informei a médica ela não deviria me passar baixa de risco visto que o mesmo acontece?

 
 
       
 
Marta Oliveira Community Builder Avatar   25.08.2017 (13:55:20)
Direito na proteção da gravidez Sim Não

Marta Oliveira
Boa tarde trabalho num hospital no sector de limpeza e estou grávida de 23 semanas informei a minha entidade patronal do mesmo. A minha questão é eu estou numa infectologista a fazer limpeza tal como já me colocaram na imagiologia (RX) falei com a minha médica que está a acompanhar a gravidez e o que ela disse foi que a minha :unsure: patronal não pode fazer isso ou então passa me um papel no qual diz que não tem posto para mim... Mas se eu já informei a médica ela não deviria me passar baixa de risco visto que o mesmo acontece?

 
 
       
 
Margarida Community Builder Avatar   14.05.2017 (16:13:06)
Direitos do trabalhador Sim Não

Boa tarde. Quero perguntar quais são os meus direitos no local de trabalho tenho a minha mae a meu encargo... Também usufruo de horário laboral ate as 20 h?

 
 
       
 
Marlene Community Builder Avatar   26.04.2017 (16:31:15)
Dispensa do horario nocturno Sim Não

Ola boa tarde
Gostava de receber a vossa ajuda na segui'te questao.
Trabalho numa empresa e no inicio fazia horario nocturno das 16h as 24
Entretanto tive um filho ando a fazer o horario da amamentacao no periodo da manha.
A minha questao è?
Sendo mae solteira e nao tendo com quem deixar a crianca a noite a empresa pode me obrigar a fazer o antigo horario?.
Aonde é que posso me dirigir pra tratar desse assunto?
Obrigada pela vossa atençao e aguardo respostas
Marlene

 
 
       
 
Cátia Rocha Community Builder Avatar   03.03.2017 (00:25:46)
Quanto tempo por norma o colaborador pode estar no balneário pra necessidades fisiológicas e tendo este de trabalhar por turnos pode ou não comer fora da dita hora de jantar (no meu caso) e qual a lei... Atentamente Cátia Rocha Sim Não

Quanto tempo por norma o colaborador pode estar no balneário pra necessidades fisiológicas e tendo este de trabalhar por turnos pode ou não comer fora da dita hora de jantar (no meu caso) e qual a lei... Atentamente Cátia Rocha

 
 
       
 
David Community Builder Avatar   08.02.2017 (17:22:27)
Trabalho Nocturno Sim Não

Boa tarde,

Trabalho em um horário em que não tenho a certeza se pode ser considerado nocturno(das 15 às 22) e serei pai pela segunda vez, mas gostaria de alterar o meu horário para passar mais tempo com a família, mas no código do trabalho no artigo 60º a dispensa da prestação de trabalho no período nocturno refere apenas à gravida. Minha questão é: como pai tenho direito a alteração do horário de trabalho ou este direito limita-se apenas a gravida?

 
 
       
 
Natália Silva Community Builder Avatar   19.10.2016 (14:13:31)
Esclarecimento Sim Não

Boa tarde
Estou numa empresa desde Setembro de 2011... No ano 2015 levei um processo disciplinar em que perdi os meus direitos de antiguidade e tive 10 dias suspensa do trabalho.... Caso queira me despedir tenho que dar algum tempo há empresa? Visto que assim que voltei ao trabalho é como se tivesse feito um novo contrato.... Tenho direito a férias?

Outra situação... Fiquei grávida e tive que ficar de baixa por gravidez de risco desde 8 de Fevereiro, neste momento estou a terminar a minha licença de maternidade... Continuo a ter direito a gozar as minhas férias que tenho direito?

 
 
       
 
Marco Cabreira Community Builder Avatar   05.10.2016 (20:35:54)
dia de direito de luto Sim Não

um neto tem direito a dois dias por direito, neste caso a avó faleceu hoje ao fim da tarde e o funeral sera sexta as 17 h se contar hoje digamos que so tem mais um dia de luto e o dia do funeral ja nao tem direito porque ja conta hoje um dia e amanha dois. pergunto se hoje é considerado nos dois dias ?

 
 
       
 
Pedro Community Builder Avatar   18.09.2016 (20:37:37)
Artigo 364 Sim Não

Boa noite, fui despedido no passado dia 16 setembro com aviso ate dia 16 novembro, por extinção de posto de trabalho, e o artigo 364 diz que tenho direito a 2 dias por semana de trabalho para gozar durante o aviso sem prejudicar o ordenado. Gostava de saber se posso ter as minhas duas folgas mais as 2 duas do artigo 364? Obrigado

 
 
       
 
Pedro Community Builder Avatar   18.09.2016 (20:36:35)
Artigo 364 Sim Não

Boa noite, fui despedido no passado dia 16 setembro com aviso ate dia 16 novembro, por extinção de posto de trabalho, e o artigo 364 diz que tenho direito a 2 dias por semana de trabalho para gozar durante o aviso sem prejudicar o ordenado. Gostava de saber se posso ter as minhas duas folgas mais as 2 duas do artigo 364? Obrigado

 
 
       
 
Rodolfo Fonseca Community Builder Avatar   15.09.2016 (17:14:55)
Contrato de trabalho Sim Não

Como fazer um contrato de promessa de emprego para Portugal,pois o consulado me pediu ,mas o clube q vou jogar não sabe fazer é me pediu o modelo poderia me ajudar ? Obrigado rodolfo:confused::confused:

 
 
       
 
Beatriz Madeira Community Builder Avatar   16.09.2016 (17:25:56)
Sim Não

Sobre o regime da promessa de contrato de trabalho veja o artigo 103 do Código do Trabalho em vigor, aprovado pela Lei 7/2009 de 12 Fevereiro, na redação atual (em http://sabiasque.pt/codigo-do-trabalho.html).
Se o consulado não tem um modelo, a melhor sugestão que pensamos poder dar-lhe é a de que procurem (o empregador e o futuro trabalhador) um advogado que redija um contrato de promessa de emprego em conformidade com a lei.

 
 
  Beatriz Madeira      
 
Bruno Community Builder Avatar   09.09.2016 (11:27:07)
Licença partilhada Sim Não

Bom dia, fui pai recentemente a mãe está desempregada mas a qualquer momento poderá ter que ir trabalhar após as 6 semanas obrigatórias, pretendia eu pai ficar com o tempo restante da licença após as 6 semanas da mãe mas foi-me negado na segurança social quem me atendeu disse que não tinha direito. Isto é verdade? Já procurei imenso na internet mas não encontro resposta, alguém já passou pelo mesmo? Como poderei fazer? Qualquer ajuda será bem vinda.

Obrigado,

 
 
       
 
Beatriz Madeira Community Builder Avatar   16.09.2016 (17:07:49)
Sim Não

O artigo 43 do Código do Trabalho em vigor, aprovado pela Lei 7/2009 de 12 Fevereiro, na redação atual (em http://sabiasque.pt/codigo-do-trabalho.html), que transcrevemos parcialmente, diz que:

1 — É obrigatório o gozo pelo pai de uma licença parental de 15 dias úteis, seguidos ou interpolados, nos 30 dias seguintes ao nascimento do filho, cinco dos quais gozados de modo consecutivos imediatamente a seguir a este.
2 — Após o gozo da licença prevista no número anterior, o pai tem ainda direito a 10 dias úteis de licença, seguidos ou interpolados, desde que gozados em simultâneo com o gozo da licença parental inicial por parte da mãe.
4 — Para efeitos do disposto nos números anteriores, o trabalhador deve avisar o empregador com a antecedência possível que, no caso previsto no nr. 2, não deve ser inferior a cinco dias.


O artigo 42 do Código do Trabalho em vigor, aprovado pela Lei 7/2009 de 12 Fevereiro, na redação atual (em http://sabiasque.pt/codigo-do-trabalho.html) diz que a licença parental inicial só poderá ser gozada por um progenitor em caso de impossibilidade do outro, em apenas em caso de:
a) Incapacidade física ou psíquica do progenitor que estiver a gozar a licença, enquanto esta se mantiver;
b) Morte do progenitor que estiver a gozar a licença.

 
 
  Beatriz Madeira      
 
Marisa Community Builder Avatar   23.08.2016 (11:09:13)
Sim Não

A mim nunca me quiseram aceitar a dispensa para o aleitamento do meu filho argumentando(e passo a citar o que a minha encarregada e supervisora disseram):"Amamentar é de lei no 1'ano de vida.Agora vais dar de mamar até ele ter 5 anos?".Achei muito triste a atitude e nunca gozei desse direito.

 
 
       
 
 

Para garantir uma resposta às suas perguntas, utilize preferencialmente o nosso fórum.
Faça login para ver mais rapidamente que o seu comentário foi publicado.
Para sua segurança, não permitimos a inclusão de dados de contacto pessoais nos comentários como endereços de correio eletrónico ou números de telefone. Para contactar outros utilizadores do site, registe-se e estabeleça uma ligação para poderem trocar mensagens.

  4000 caracteres disponíveis

Antispam Actualizar imagem Não é sensível a maiúsculas