Código do Trabalho - Artigo 30.º - Acesso ao emprego, actividade profissional ou formação

Votos de utilizador:  / 1
FracoBom 

LIVRO I - Parte geral

TÍTULO II Contrato de trabalho

CAPÍTULO I - Disposições gerais

SECÇÃO II Sujeitos

SUBSECÇÃO III Igualdade e não discriminação

DIVISÃO III Igualdade e não discriminação em função do sexo

Artigo 30.º - Acesso ao emprego, actividade profissional ou formação

1 — A exclusão ou restrição de acesso de candidato a emprego ou trabalhador em razão do sexo a determinada actividade ou à formação profissional exigida para ter acesso a essa actividade constitui discriminação em função do sexo.

2 — O anúncio de oferta de emprego e outra forma de publicidade ligada à pré-selecção ou ao recrutamento não pode conter, directa ou indirectamente, qualquer restrição, especificação ou preferência baseada no sexo.

3 — Em acção de formação profissional dirigida a profissão exercida predominantemente por trabalhadores de um dos sexos deve ser dada, sempre que se justifique, preferência a trabalhadores do sexo com menor representação, bem como, sendo apropriado, a trabalhador com escolaridade reduzida, sem qualificação ou responsável por família monoparental ou no caso de licença parental ou adopção.

4 — Constitui contra-ordenação muito grave a violação do disposto nos n.os 1 ou 2.

Consulte

Histórico de alterações: Artigo 30.º - Acesso ao emprego, actividade profissional ou formação

Índice do Código do Trabalho (Online) em vigor desde 2009 (Actualizado em 2012)


Jorge soares Community Builder Avatar   22.02.2013 (10:41:21)
horario de formação Sim Não

Exmos. Srs.
necessito de esclarecimento sobre o horário de formação interna na empresa. Qual é o horário permitido semanal para a formação interna na empresa e ainda se a formação interna é permitída e/ou obrigatória ao fim de semana, sem outro assunto

js

 
 
       
 
Beatriz Madeira Community Builder Avatar   11.06.2013 (17:12:16)
Sim Não

Caro Jorge Soares, boa tarde.

A formação profissional proporcionada pela empresa aos seus trabalhadores deve ser ministrada em horário laboral ou até um máximo de 2 horas em regime pós-laboral sem que seja contabilizada como trabalho suplementar (extraordinário).

Caso abranja mais do que as 2 horas em regime pós-laboral ou que seja ministrada em dia de descanso semanal, o trabalhador tem direito a receber um acréscimo de 50% das horas que trabalhou convertido em "descanso" (folga) ou em remuneração, cabendo a escolha ao empregador.
Sobre prestações relativas a dia feriado, poderá consultar o artigo 269 do Código do Trabalho em vigor (Lei 7/2009 de 12 Fevereiro) a partir da página http://www.sabiasque.pt/trabalho/legislacao/codigo-do-trabalho.html

 
 
  Beatriz Madeira      
 

Smileys

:confused: :cool: :cry: :laugh: :lol: :normal: :blush: :rolleyes: :sad: :shocked: :sick: :sleeping: :smile: :surprised: :tongue: :unsure: :whistle: :wink: 

Para garantir uma resposta às suas perguntas, utilize preferencialmente o nosso fórum.
Faça login para ver mais rapidamente que o seu comentário foi publicado.
Para sua segurança, não permitimos a inclusão de dados de contacto pessoais nos comentários como endereços de correio eletrónico ou números de telefone. Para contactar outros utilizadores do site, registe-se e estabeleça uma ligação para poderem trocar mensagens.

  4000 caracteres disponíveis

Antispam Actualizar imagem Não é sensível a maiúsculas